Áudio revela suposta ‘propina da merenda’ paga a professor por empresário da Famintos

Em conversa, gravada com autorização da Justiça, professor diz que recebia R$ 700 e pede ‘ajuda’ para colega de trabalho

Foto: Ascom

Entre as conversas telefônicas interceptadas pela Polícia Federal durante a Operação Famintos, que investiga fraudes em licitações e desvio na merenda escolar em Campina Grande, uma revela uma situação estarrecedora. Um professor, de uma escola pública, trava um diálogo com um dos empresários investigados e diz que recebia R$ 700 por mês do fornecedor dos produtos da escola. A gravação foi feita, com autorização da Justiça, em maio deste ano.

Durante o diálogo, ele ainda pede o aumento do valor da suposta propina para R$ 1 mil, alegando que o restante seria repassado para um colega de trabalho. O colega, de acordo com a gravação, teria auxiliado o professor no processo de reeleição para o conselho escolar. Em um dos modelos do PNAE, a compra da merenda é feita diretamente pelas escolas.

O nome do professor será preservado pelo Blog, já que ele não está sendo formalmente investigado no âmbito da Operação Famintos. A voz dele também foi distorcida, para evitar qualquer tipo de identificação. O empresário, alvo do suposto pedido de propina, é identificado nos relatórios da Polícia Federal como sendo Severino Roberto Maia de Miranda, denunciado pelo Ministério Público Federal (MPF) por envolvimento no suposto esquema de fraudes.

Veja a transcrição:

Professor: Eu queria fazer um pedido ao amigo.
Empresário: Diga lá.
Professor: Olhe, eu ganhei de novo a eleição a duras penas. Eu vou ficar mais dois anos.
Empresário: Ô coisa boa.
Professor: A partir de setembro termina esse meu mandato… Aí, o que é que acontece… Tu sabe que sou muito verdadeiro contigo.
Empresário: Humhum.
Professor: Eu tive um apoio de um professor que é meu vice-presidente do conselho. Muito forte lá.
Empresário: Ahnhã.
Professor: Pra me poder me permanecer lá, tudo isso.
Empresário: Hum.
Professor: Aí, não tem aquele negocinho da carne que você me dá todo mês?
Empresário: Hum.
Professor: Aquela diferençazinha que dá quase setecentos reais?
Empresário: É.
Professor: Aí, eu queria saber de você se era possível fechar umas comprinha de mil todo mês?
Empresário: A gente vai e aumenta lá… alguma coisinha que seja lá.
Professor: Porque eu pegava, eu dava um negocinho a ele, sabe?
Empresário: Pronto. Eu boto e dou uma aumentada nas compras lá, fecha no negócio lá.
Professor: É, porque assim, é… setecentos, mais ou menos já dá de carne, né? A diferençazinha que tu me dá.
Empresário: É, a gente aumenta na nota, porque eu não posso dar mais do que esse valor não. Eu já tô dando muito, que ninguém dá isso não.
Professor: É, aí, eu…
Empresário: Só quem dá isso, só quem dá isso sou eu. Ninguém dá não, viu.
Professor: É, eu sei. Aí eu vou pegar, eu vou. Tem que dar uma ajuda a ele, sabe? Todo mês dar um negocinho a ele.
Empresário: Pronto. Tá bom. Ok.
Professor: Aí, quando tu me repassar o negócio … no mês, eu repasso pra ele também.
Empresário: Ok. Pois tá bom.

Comente

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *