Casas do Aluízio Campos serão entregues até 11 de outubro

Obra iniciada em 2014 passará pelas gestões de Dilma Rousseff (PT), Michel Temer (MDB) e Jair Bolsonaro (PSL)

Complexo tem casas, apartamentos, escolas e postos de saúde. Foto: PMCG

Já são quatro anos e oito meses desde que a Ordem de Serviço para o início da construção do Complexo Habitacional Aluízio Campos, em Campina Grande, foi assinada. De lá para cá muitas visitas, inspeções, reuniões e listas com contemplados foram divulgadas, mas as casas e apartamentos ainda não foram entregues aos beneficiários. A data limite para a entrega, porém, já existe: 11 de Outubro deste ano, dia em que a cidade completará 155 anos.

O prazo para a entrega das casas é uma determinação do prefeito Romero Rodrigues, que há meses aguarda o fim do processo burocrático de liberação dos imóveis por parte do Banco do Brasil para os futuros moradores.

Na obra estão sendo investidos cerca de R$ 330 milhões, sendo a maior parte dos recursos do Governo Federal. A expectativa é de que o presidente Jair Bolsonaro (PSL) participe da solenidade, em uma obra que foi iniciada no Governo Dilma Rousseff (PT) e passou pela gestão do ex-presidente Michel Temer (MDB).

“Estamos correndo para deixar tudo pronto. Vamos fazer os sorteios das casas assim que o banco do Brasil liberar e não chegaremos a ultrapassar o dia 11 de outubro. É uma data que estamos tomando como deadline, último instante possível”, comentou o secretário de Planejamento da Prefeitura de Campina Grande, Diogo Lyra.

Entraves na documentação

As obras físicas do Aluízio Campos estão há meses praticamente concluídas, mas questões burocráticas junto ao Banco do Brasil têm tornado lento o processo de liberação dos imóveis para os futuros moradores. Hoje 139 pessoas que foram contempladas com as casas e apartamentos ainda possuem pendências ou inconsistências na documentação exigida pelo banco.

Na semana passada a prefeitura divulgou uma nova lista para cadastro de reserva contendo 150 vagas. O objetivo é agilizar a entrega dos dados, caso as pendências dos 139 beneficiários não sejam resolvidas.
“A medida que essas pessoas não conseguirem resolver esses entraves a gente já vai encaminhando essas pessoas do cadastro. Com isso a gente ganha tempo”, comentou Diogo.

A prefeitura quer evitar que a demora na entrega dos imóveis se transforme em desgaste para a gestão municipal. No total, 11,6 mil pessoas se inscreveram e estavam aptas a receber os imóveis. O sorteio aconteceu no dia 31 de janeiro de 2018 e foi acompanhado pelo Ministério Público Federal.

Aluízio Campos já é bairro

Embora não tenham sido entregues, as casas e apartamentos do Complexo Aluízio Campos já são, legalmente, um novo bairro de Campina Grande. A área e o número de casas são maiores, inclusive, do que a maioria das cidades paraibanas. Em março deste ano a Câmara Municipal de Vereadores aprovou um projeto de lei que instituiu o novo bairro. A expectativa é de que 15 mil pessoas irão morar no Complexo.

5 Comente Casas do Aluízio Campos serão entregues até 11 de outubro

  1. Kátia Lúcia do Nascimento Disse:

    Boa noite, meu nome está na lista de espera, mas n entrei ainda no processo, espero em Deus que um dia venha ser chamada.

  2. Sebastian Nunes Disse:

    Que Deus ilumine o nosso prefeito e que todas as pendências documentais sejam logo resolvidas, só assim, todos serão beneficiados e terão alivio depois de tanta espera!

  3. Olha muitas pessoas não tem acesso a redes sociais, e por não saber que tem que comparecer na seplan, estão sendo excluída. A equepe poderia pelo menos ligar para as família. Meu irmão era pra ter comparecido na data certo, por que ele não sabia, simplesmente foi excluída.

  4. Rafaela Disse:

    Que Deus abençoe sempre essa obra linda, que irá trazer a felicidade de muitos. Temos que ter paciencia para que tudo seja feita da forma correta e que enfim tenhamos o prazer inigualável de ir para nossas casas e apartamentos! Que Deus esteja a frente de tudo. Aguardamos ansiosamente que tudo se resolva .😊👐

  5. Germano Barbosa Disse:

    De adiantamento em adiamento, o prefeito conseguirá seu intento de chegar à campanha de 2020 explorando esse rico capital eleitoral. Ao “povo marcado, povo feliz”, resta rogar “que Deus ilumine o nosso prefeito”.
    Ou a população se organiza, e protesta, ou será, para sempre, massa de manobra nas mãos dos seus dirigentes. Mas há quem prefira ser gado, não é? Fazer o quê?

Comente

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *