Polícia apura ‘armação’ no caso das agulhadas em Campina Grande

Um ano depois, um inquérito foi arquivado e outro está em andamento. Prefeitura diz que houve prejuízos para festa

Funcionários do Hospital de Trauma estão sendo chamados para prestar esclarecimentos

Um ano depois de dezenas de pessoas terem procurado o Hospital de Trauma de Campina Grande afirmando que teriam sido vítimas de agulhadas, fatos que na época ficaram conhecidos como ‘caso das agulhadas’, a Polícia Civil investiga agora os desdobramentos das denúncias. Um inquérito apura se houve algum tipo de ‘armação’ no registro dos pacientes no Hospital de Trauma da cidade. Vários funcionários da unidade estão sendo chamados a dar esclarecimentos na Delegacia do Distrito de São José da Mata.

A investigação teve início após uma representação feita pela Prefeitura de Campina Grande ao Grupo de Atuação Especial Contra o Crime Organizado (GAECO), do Ministério Público, após o arquivamento de um primeiro inquérito da Polícia Civil que apurava as denúncias.

Na representação, a Prefeitura diz que o surgimento dos casos trouxe prejuízos para o Maior São João do Mundo no ano passado e que a divulgação por parte do Hospital de Trauma provocou pânico entre os forrozeiros. “Cada dia que passava o alarma, o pânico se aguçava entre turistas e frequentadores com a implacável e “pontual” informação de representantes do Hospital Estadual de Emergência e Trauma Dom Luiz Gonzaga sobre um suposto ataque com agulhas no interior do Parque do Povo e o número de frequentadores e turista foi sendo reduzido, drasticamente”, afirma o documento.

No primeiro inquérito, para investigar as denúncias das vítimas, a Polícia Civil apurou o relato feito por 17 pessoas que teriam sofrido as supostas agulhadas. Depois de meses de investigações nenhuma pessoa foi indiciada e os supostos autores das lesões também não foram encontrados. Em outros casos sequer foi comprovado que as lesões mostradas pelas vítimas foram causadas por agulhadas. A direção do Hospital de Trauma nega, desde a época dos fatos, que tenha havido qualquer tipo de armação e diz que as vítimas procuraram a unidade espontaneamente.

Para a edição deste ano a Prefeitura de Campina Grande decidiu se prevenir de casos parecidos e criou um Comitê de Gestão de Crises, que vai atuar na contenção também de possíveis ‘fake news’ que surgirem durante os 31 dias da festa. O Maior São João do Mundo este ano tem início na próxima sexta-feira (07) e vai até o dia 07 de julho. Dezenas de atrações nacionais e locais vão se apresentar no Parque do Povo e a expectativa é de grandes públicos no Parque do Povo.

2 Comente Polícia apura ‘armação’ no caso das agulhadas em Campina Grande

  1. O sistema de segurança pública no Brasil é sempre comparado ao período chuvoso no sertão. “Derrepente chega”.

  2. Verônica Maria de Souza Silva Disse:

    É lamentável que em uma festa que representa nossa Cultura aconteça um mal estar, tão desagradável, para uma Cidade e Estado que acolhe tantos turistas! Merece ser apurado com rigor!

Comente

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *