Nabor recorre contra impugnação de candidatura e diz que Justiça cometeu erro

nabor-imagem-site-640x300

Os advogados do candidato a prefeito de Patos, Nabor Wanderley (PMDB), recorrem ao Tribunal Regional Eleitoral, neste sábado (10), contra decisão que barrou sua candidatura nesta sexta-feira (11). O juiz da 28ª Zona Eleitoral, José Milton Barros, depois de pedido do MPE, entendeu que ele não poderia ser candidato porque teve contas reprovadas quando foi prefeito.

Em nota, ele nega e diz que não há nenhuma reprovação, tendo em vista que as contas dos anos de 2005 a 2011 foram aprovadas, sem ressalvas, pelo Tribunal de Contas do Estado da Paraíba (TCE-PB), estando apenas o ano de 2012 em análise.

Nós respeitamos o Poder Judiciário como um todo, mas, dizemos claramente que esta decisão está eivada de erros e, principalmente, de injustiça”, explicou o advogado Alexandre Nunes.

LEIA MAIS

Ministro do Desenvolvimento Social vem à Paraíba inaugurar obra em Patos

O ministro do Desenvolvimento Social e Agrário, Osmar Terra, entrega nesta quinta-feira (28), em Patos, um Creas- Centro de Referência Especializado em Assistência Social.  Uma obra feita por meio de parceria entre a prefeitura da cidade e o Governo Federal. Antes, concede entrevista coletiva na sede da Associação Paraibana de Imprensa (API), em JP, a partir das 14h30, e deve falar, entre outros assuntos, do reajuste do Bolsa Família de 12,5%, concedido pelo presidente interino, Michel Temer (PMDB). Os deputados federais Hugo Motta e Manoel Júnior, além dos senadores José Maranhão e Raimundo Lira, devem acompanhar o ministro na visita.

Agenda divergente

A assessoria de imprensa do ministro foi consultada sobre a agenda acima, divulgada pela assessoria do PMDB. E informou que os registros oficiais no Ministério são outros. Segundo a assessoria, Osmar Terra desembarca em João Pessoa às 15h30 e segue para Campina Grande. Lá visita uma família beneficiária do Bolsa Família. No início da noite, o ministro retorna para João Pessoa e segue para o Piauí.

 

Tese de “autonomia municipal” garante PMDB de JP com Cartaxo

PMDB-reunião-decide-afastamento-de-Dilma

A estratégia do senador José Maranhão (PMDB) é a mais simples de todas. Lembrar aos aliados atuais e aos que querem apoio do PMDB que é “cada um no seu quadrado”.

Ou seja, na tese dele, os diretórios municipais têm autonomia para decidir quem vai apoiar, de acordo com as realidades locais.

Não dá, de acordo com suas últimas posições dele, para fazer “pacotões”, desrespeitando decisões dos membros das executivas dos municípios. Aquelas, claro, que tem autonomia formalizada.

A regra vale, inclusive, para João Pessoa. Mesmo que a decisão tomada aqui, de alguma forma, repercuta em outras cidades. É uma postura conveniente neste momento, mas que convence.

Caso de JP 

Em outras palavras, no caso aqui de João Pessoa, onde a decisão já é de apoio a Cartaxo, o senador está avisando que não vai negociar uma aliança com os socialistas em troca de apoios em Guarabira, Patos, Campina Grande e outras cidades, mesmo querendo o apoio do PSB nesses locais.

Vale lembrar que nos municípios citados, o PMDB tem candidaturas competitivas e com chances reais de ganhar, com ou sem o PSB. Talvez, no segundo turno, o apoio socialista seja essencial, mas nesta outra etapa, outros acordos são feitos.

Manoel Júnior lembrou disse

Na reunião desta segunda-feira à noite (25), quando aparentemente parecia que Manoel Júnior estava sendo “emparedado” pela cúpula estadual (a favor da aliança com PSB), o deputado federal foi no “nervo”.

Lembrou aos colegas que ele não “meteu o bedelho” na eleição de Campina, nem se meteu na de Guarabira, nem muito menos na de Patos ou Cajazeiras e quer que os diretorianos estaduais respeitem a decisão do executiva municipal. Instância que tem autonomia para tomar a decisão.

Talvez por isso o recuo formal de Raimundo Lira, dos Paulino, mesmo opinando sobre o cenário de JP. Eles, de fato, admitem que não podem interferir diretamente na decisão, apenas influenciar. Algo, que a essa altura do campeonato não devem conseguir mais.

Então, caro leitor, para não me alongar mais. Se Maranhão não quiser usar a “força bruta”, a decisão está tomada. Na capital, o PMDB está com o prefeito de JP, Luciano Cartaxo, candidato à reeleição.