Odebrechet fez tucanos e petistas “afinarem” discurso

 

As delações da Odebrechet colocaram luz no submundo da nossa política. Muitos de nós sabíamos que era assim. Mas tudo sempre esteve circulando às escuras, naturalizando-se para perpetuação de mandatos e enriquecimento com dinheiro de impostos.

Surpreende mais assistir em horário nobre os detalhes dos esquemas do que o próprio esquema. Afinal, o ditado “não tem almoço de graça é conhecido”.

Com um pouquinho de consciência dá para saber que nenhuma empresa doa R$ 2 milhões, R$ 800 mil ou 300 de graça para uma campanha eleitoral. E mais, um montante como esse não sai da margem de lucro, mas da margem do superfaturamento, do sobrepreço para pelo cidadão.

As delações da Odebrechet “afinaram” os discursos de petistas e tucanos. Eles falam do mesmo jeito, usando as mesmas palavras. Para os tucanos, a vergonha é ainda maior porque eles estavam até um dia desses se proclamando baluartes da moralidade.

Agora, dizem como petistas: “todas as doações foram legais e declaradas a Justiça Eleitoral”. Ou: ” as delações são uma peça de ficção”. E ainda : “A Justiça irá irá estabelecer a verdade”. Ou: “eu não conheço, não encontrei ou pedi dinheiro ilegal”.

O nome na lista não torna ninguém culpado antes do tempo. Mas de fato mancha e muito a imagem para as próximas eleições. Até que saia uma decisão que inocente algum envolvido, ele terá que ser habilidoso para encarar seu eleitor. Separar o joio do trigo é necessário, mas não será fácil fazê-lo agora.

Aqui na Paraíba quem mais vai sofrer é o senador Cássio Cunha Lima, que está ativo na vida pública e política; vai para reeleição ano que vem.

Veja também:  Delação: Odebrecht doou para Cássio, mas esperava a Cagepa de bandeja
Lista de Fachin: veja no gráfico como PMDB, PT e PSDB lideram denúncias
Saiba o que os delatores da Odebrecht disseram de Cássio, Vital e Lindbergh

Sua margem de movimento é pequena e terá que ser pragmático, certeiro numa aliança que lhe permita ter fôlego diante de adversários raivosos e fazendo questão de colocar holofotes nas suspeitas.

Se inocente, terá problemas com a demora natural da investigação no STF. Um definição só sairá em no mínimo 3 anos.Até lá, se inocente, ou se o delator não tiver prova, terá dificuldade de estancar a “sangria”.

Cássio e os tucanos de primeira linhagem foram pedreira na vidraça petista. Ganharam projeção nacional como acusadores puros e, não tenha dúvida, vão pagar o preço agora.

Ilustração: NB Brasil

Comente

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *