Procurador-chefe do MPF-PB “dispara” contra manobra que quer anistiar quem praticou ‘caixa 2’

mpf_rodolfo_alves_silva_reduzida

O procurador-chefe do Ministério Público Federal na PB, Rodolfo Alves, criticou a manobra que os deputados federais brasileiros podem efetivar na próxima amanhã (29), quando vão votar as medidas contra a corrupção. O procurador está entre os que temem que no texto haja um “jabuti”, permitindo que muitos se livrem da punição tendo praticado caixa 2.

Em entrevista à CBN, ele lembrou que as 10 medidas contra a corrupção nasceram de um trabalho do MPF, com apoio incondicional da população. Ele registrou que o relatório aprovado na comissão especial não engloba todas as medidas apresentadas à sociedade, mas é um avanço diante dos diversos e graves problemas que dificultam o combate à corrução.

Rodolfo explicou que o crime de caixa 2 é eleitoral, mas para se chegar a pratica desse crime, ou conduta, é preciso que se pratique inúmeros outros crimes, como falsidade ideológica, formação de quadrilha, corrupção, lavagem de dinheiro.

Segundo ele, caso seja aprovada essa anistia, nos moldes que está sendo tratada, certamente, trará o beneficio da impunidade, inclusive para aqueles que já foram condenados por essas condutas. Para o procurador esse é um fato que preocupa o MPF e a sociedade brasileira; porque demonstra movimentos, inclusive com forte articulação dos deputados, contrários aquilo que a sociedade deseja e espera do Congresso Nacional, que são medidas para recrudescer e ampliar o combate a corrupção em nosso pais.

“A Câmara dos Deputados aprovando uma emenda como essa estará mostrando, inclusive para sociedade internacional, que democracia  brasileira sucumbe, literalmente, às medidas que visam beneficiar corruptos. Isso não é uma exemplo. Não só a Lava Jato como outras decisões recentes têm elevado o patamar do Brasil na comunidade internacional, como um país que tem trabalhado no combate à corrupção.

Para Rodolfo, com uma eventual aprovação da anistia ao que cometeram ‘caixa 2’, será inevitável não comparar ao que aconteceu na Itália, na operação Mãos Limpas, quando o Congresso do país, na década de 90, aprovou medidas para salvar os condenado e dificultou o trabalho dos investigadores.

Não é isso que queremos para o Brasil”, concluiu.

 

Comente Procurador-chefe do MPF-PB “dispara” contra manobra que quer anistiar quem praticou ‘caixa 2’

  1. benedito Disse:

    O brasil vive um momento drastico com tanta corrupcao: tem no congresso uma classe politica voltada para praticar crimes, roubando o dinheiro publico. Senhores deputados e senadores que se dizem representante do povo, na verdade nao nos representa o seu interesse esta em alimentar as suas contas gordas. Muito passando fome enquanto eles nos carros luxuosos contas na suica, mansoes e fazendas para fazer suas festancas final de semana. Senhores que se dizem representante do povo, na verdade sao mentirosos, corruptos, ladroes,salteadores, enganadores com promessas mentirosas,sem carater,desqualificados. Mas a culpa e do povo, porque aquilo que eles estao fazendo nao sao elese sim o povo exemplo: quando eu contrato um advogado pra me representar nao ele esta fazendi e sim eu, ele apenas me representa. O congresso nao faz muita diferenca de uma penitenciaria nao. Vergonha brasil tantos ladroes, ainda ha politicos honestos.

Comente

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *