Efraim, Pedro e Rômulo dizem que PEC coloca um “freio” nos gastos públicos

Três deputados paraibanos, dos 11 que votaram a favor da PEC 241, que estabelece um teto para os gastos do governo, comentaram sobre a aprovação da medida, logo após a votação ontem (10). Ao Blog,  o Democrata Efraim Filho disse que essa votação significa o primeiro passo para acabar com a gastança desenfreada que levou o Brasil à pior crise econômica da sua história e a 12 milhões de desempregados.

Essa votação significa o primeiro passo para acabar com a gastança desenfreada que levou o Brasil a pior crise econômica da sua história e a 12 milhões de desempregados. É a forma para retomar o rumo do desenvolvimento, da economia voltar a crescer e de recuperar os empregos para o cidadão brasileiro.O modelo atual faliu o país através do caminho do aumento de impostos. Era preciso mudar”, afirmou.

Rômulo Gouveia (PSD)disse que o modelo atual faliu o país através do caminho do aumento de impostos e é preciso mudar.

A nossa situação é grave. Nós estamos com um dívida publica muito grande. Só há três caminhos para equilibrar as dívidas do governo: aumentar impostos, deixar a inflação crescer para que ela corria o valor da dívida pública ou controlar as despesas do governo. Nós vamos querer voltar para a hiperinflação? Nós vamos aguentar mais aumento de carga tributária? Ou vamos fazer o esforço de controlar a despesa pública, reequilibrar a economia e voltar a crescer”, explanou Rômulo.

Já Pedro Cunha Lima disse que a PEC é uma trava que os parlamentares colocam no governo, evitando o gasto desmedido. Mas lembrou que é preciso também criar mecanismos para o governo gastar melhor. Não só menos. Ouça o que ele disse:

Tentamos falar com falar com o único que votou contra a PEC, o deputado petista Luiz Couto, mas não conseguimos.

 

Comente Efraim, Pedro e Rômulo dizem que PEC coloca um “freio” nos gastos públicos

  1. Glauco dos Santos Gouvêa Disse:

    Votam contra o povo e o País,. em troca de interesses pessoais, e ainda querem enganar a população? É muito cinismo!

Comente

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *