PT diz que é contra partidos “golpistas”, mas está com eles em várias cidades

As recomendações e/ou determinações nacionais e estaduais do PT para evitar alianças com os partidos que apoiaram o impeachment da presidente, os chamados golpistas,  não são tão rigorosas assim.

São fortes nos discursos e fracas na realidade. Principalmente quando em jogo estão as disputas em cidades menores, onde esse acirramento político nacional passa longe. São as velhas realidade locais se sobrepondo às disputas de Brasília.

Um levantamento feito no TSE, por exemplo, pela Folha, mostra que só em São Paulo, o PT fez alianças com PMDB em 178 municípios. Com o PSDB, em 66, com DEM, em 111; com o PRB em 129.

O cenário de alianças  “condenáveis, mas nem tanto”, não fica apenas entre o PT e os “golpistas”. Psol, PCdoB e PDT também esqueceram as querelas nacionais provocadas pelo impeachment e por uma questão de sobrevivência, fizeram alianças questionáveis, mas que trazem resultados na prática.

Aqui na Paraíba não parece ser muito diferente. Só em JP, com mais visibilidade, a regra é seguida, mas, nas cidades menores, a porteira de alianças fica aberta. Foi o que aconteceu em Cajazeiras,  numa aliança com o PP, que encabeça a chapa; em Guarabira e Itaporanga, com o PMDB; em Mamanguape com o PRTB. Enfim, esses são alguns exemplos das dezenas de alianças feitas entre o PT e os partidos chamados golpistas.

Veja abaixo um dos gráficos com números de alianças feitas pelo PT com “os golpistas”, em SP.

pt-e-aliados

 

Comente

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *