Sem categoria

Desembargadora se declara suspeita

A desembargadora Maria das Neves do Egito emitiu despacho na tarde desta terça-feira em que se declara “em suspeição” para analisar o recurso em que a ex-presidente Rosilene Gomes tenta voltar à Federação Paraibana de Futebol. Isto acontece quando um magistrado tem qualquer tipo de relação com alguma das partes e por isto não se sente com o distanciamento necessário para tomar uma decisão sobre o caso.

O requerimento da defesa de Rosilene Gomes, agora, vai para a vice-presidência do Tribunal de Justiça da Paraíba, a quem caberá realizar a “redistribuição” do processo, para que um outro desembargador seja nomeado relator. É este novo desembargador quem vai decidir se acata ou não o pedido de retorno de Rosilene à Federação.

De acordo com a chefia de gabinete da desembargadora Maria das Neves do Egito, ela citou “motivos de foto íntimo” para se declarar “suspeita”, de forma que ela não é obrigada a relatar as razões pessoais que lhe levaram a isto.

A assessoria jurídica da desembargadora explicou ainda que, como o processo foi movido com “pedido de liminar”, a redistribuição do caso para um outro relator deve ser concluída ainda nesta terça-feira.

Sem categoria

Justiça confirma queda de Rosilene e empossa interventores na FPF

A Federação Paraibana de Futebol já está sob nova direção. Três oficiais de justiça da Paraíba foram na tarde desta sexta-feira até a sede da entidade e deram posse à Junta Administrativa nomeada pela juíza Renata Câmara (da 8ª vara Cível de João Pessoa), em substituição a Rosilene Gomes, agora oficialmente ex-presidente da FPF.

Assim, a entidade tem novos dirigentes depois de 25 anos de Era Rosilene no futebol paraibano. Foram empossados os interventores Ariano Wanderley, João Máximo Malheiros Feliciano e Eduardo Faustino Diniz, que terão 90 dias para concluir a transição. Destes, apenas os dois primeiros estavam presentes.

O oficial de justiça Holimar Medeiros da Costa, inclusive, informou que a posse acontece independente de qualquer notificação da decisão à ex-presidente Rosilene Gomes, que até agora não foi encontrada.

E os primeiros momentos dos novos dirigentes na sede da FPF mostraram que a transição não vai ser fácil. Por exemplo, eles tiveram que chamar um chaveiro para abrir a sala da presidência, tiveram dificuldades de reunir os funcionários para uma primeira conversa e se viram obrigados a colocar um segurança 24 horas por dia na porta da entidade para evitar que documentos ou provas de eventuais irregularidades sejam manipuladas.

federacao_paraibana_de_futebol_-_posse_095_1

Ariano Wanderley tem primeira conversa com funcionários da FPF

Entenda o caso

Rosilene Gomes foi afastada nesta quinta-feira do cargo de presidente da Federação Paraibana de Futebol por uma determinação da juíza Renata Câmara. A decisão foi baseada em uma Ação Cautelar de Exibição de Documentos, que foi transitada em julgado no Tribunal de Justiça da Paraíba, e que foi movida pelo Auto Esporte Clube.

Segundo a juíza, são claras as evidências “de que os clubes e ligas votantes no último pleito (da FPF) não estavam constituídos de forma regular ou mesmo de que, embora possivelmente constituídas com CNPJ e demais exigências legais, os seus supostos representantes legais não foram eleitos na forma estatutária”.

A suspeita é de que ao menos 23 das 53 entidades que votaram no pleito, realizado em 23 de junho de 2010, e reelegeram a diretoria, estavam em situação irregular no dia do pleito, o que tornaria todo o processo eleitoral nulo.

Sem categoria

Defesa de Rosilene fala em ‘golpe’

O advogado Edísio Souto, que faz a defesa da presidente da Federação Paraibana de Futebol, Rosilene Gomes, disse nesta sexta-feira que estava indignado com o afastamento da diretoria da entidade, determinada ontem. O jurista citou o golpe militar de 1964 para mostrar a sua insatisfação, insinuando estar acontecendo uma espécie de “tapetão” da oposição da FPF para tomar o cargo da presidente. Ele revelou ainda que pretende recorrer da decisão judicial. As declarações foram feitas à Rádio CBN João Pessoa.

– Do ponto de vista da Federação Paraibana de Futebol não teve nenhum problema na última eleição. Isto é um absurdo, é um atentado à democracia. Talvez fruto do dia 31 de março de 1964, quando sofremos um golpe no país. Mas vamos recorrer. Vamos levar essa decisão ao Tribunal de Justiça da Paraíba acreditando muito no saber jurídico, no bom senso e no equilíbrio dos desembargadores – disparou o advogado.

Insinuando um golpe, mas sem deixar claro de onde estaria partindo, Edísio aproveita para mandar um recado:

– Temos quase que certeza que vamos reformar isso. É uma Federação Paraibana de Futebol, que deverá ter eleição em junho próximo. Ou seja, estamos a dois meses da eleição. Se querem tomar a presidência de Rosilene, que submeta o nome de alguém e ganhe no voto. E não no tapetão, como estão fazendo.

Auto Esporte

A queda de Rosilene Gomes

A juíza Renata da Câmara Pires Belmont, da 8ª Vara Cível de João Pessoa, deferiu na tarde desta quinta-feira uma “antecipação de tutela” e ordenou o afastamento imediato da presidente Rosilene Gomes e dos respectivos membros da diretoria da Federação Paraibana de Futebol. Num despacho de cinco páginas, ela fala em “prova inequívoca capaz de gerar juízo de verossimilhança” sobre eventuais vícios na eleição da mesa diretora da FPF.

Renata Câmara explica que existem fortes indícios de que a última reeleição de Rosilene, realizada em 23 de junho de 2010, foi realizada em meio a “irregularidades e descumprimento de regras estatutárias”.

Deposta a atual diretoria da FPF, a juíza decidiu ainda nomear uma Junta Administrativa para assumir provisoriamente a entidade máxima do futebol paraibano. A junta é composta por Ariano Wanderley, que é dirigente do Botafogo-PB; João Máximo Malheiros Feliciano, vinculado ao Auto Esporte; e Eduardo Faustino Diniz, classificado como “bacharel em Direito com larga experiência jurídico-administrativa”. Todos terão igualdade de poderes e peso de votos.

Eles terão 90 dias, podendo ser prorrogado por mais 30, para “por missão precípua fazer levantamento de dados sobre as entidades filiadas, a sua constituição regular, bem como da legitimidade de seus dirigentes, notadamente daquelas entidades filiadas que compareceram e participaram do pleito eleitoral”.

Campinense

Campinense e Sousa viram alvo de piadas na internet

Sem conseguir a classificação para as semifinais do Campeonato Paraibano ainda na primeira fase, o Dinossauro e a Raposa não escaparam das piadas dos torcedores rivais na internet.

Em alguma das montagens, os torcedores lembravam da competição em 2012 e insinuam que naquela oportunidade os dois times teriam feito um “arrumadinho”.

Confira as imagens:

Campinense e Sousa viram alvo de piadas na internet

Campinense e Sousa viram alvo de piadas na internet

Campinense e Sousa viram alvo de piadas na internet

Campinense e Sousa viram alvo de piadas na internet

* As imagens foram retiradas de diversas postagens das redes sociais e foram feitas por internautas paraibanos

Auto Esporte

Veja homenagem do Auto a torcedor morto

O time a torcida do do Auto Esporte fizeram uma bela homenagem ao torcedor Tibério Barreto, morto após cair no fosso do Estádio Almeidão no último domingo.

E tudo isto aconteceu no dia em que o Auto voltou a jogar no estádio, venceu o Santa Cruz por 3 a 1 e conquistou antecipadamente a vaga nas semifinais do Campeonato Paraibano.

Assista o vídeo aqui

Auto Esporte

Inocente, não algoz

“A culpa foi do torcedor”.

Poucas vezes o combalido futebol paraibano e seu costumeiro amadorismo foi tão unânime e tão célere ao fechar uma questão sobre um caso.

Para a Polícia Militar da Paraíba, para o Governo do Estado, para o Ministério Público da Paraíba e para a Federação Paraibana de Futebol, o torcedor Tibério Barreto é o único e principal culpado pela sua própria morte, ocorrida no último domingo quando ele caiu no fosso do Estádio Almeidão, em João Pessoa, no momento em que comemorava o gol de seu time do coração, o Auto Esporte, contra o Sousa, pelo Campeonato Paraibano de Futebol.

Assunto encerrado. Nenhuma ação será iniciada. Nenhuma investigação será aberta. Nenhuma análise será feita. Meia dúzia de autoridades foram a público defender a tese de “fatalidade”, culparam energicamente o torcedor por ter provocado a própria queda, e se deram por satisfeitos. Fim de papo!

A Polícia Militar, com a truculência que lhe é peculiar, chegou a falar em “atitude insana” do torcedor, numa insensibilidade típica, infelizmente acompanhada por muitos colegas de imprensa e muitos torcedores que concordaram com o discurso.

No aniversário de 39 anos do estádio, dia exato do incidente que se mostrou horas depois fatal, o presente que as autoridades paraibanas deram ao Almeidão foi sua absolvição sumária. Injusta, claro. Que esconde assim problemas gritantes que existem no local.

Porque… será mesmo que a culpa é do torcedor? Ou, na pior das hipóteses, apenas do torcedor? Será mesmo que ele pode ser responsabilizado por ter levado uma queda numa área em que, na lógica, deveria ter sido pensado para blindar o torcedor de qualquer insegurança?

Será que nenhuma autoridade, antes de ir a público, lembrou do Estatuto do Torcedor, que em seu Artigo 13 diz claramente que “o torcedor tem direito a segurança nos locais onde são realizados os eventos esportivos”?

Porque para mim, mesmo sem ser especialista em segurança, fica claro que um fosso de ao menos três metros de profundidade, protegido por uma grade de pouco mais de um metro, numa área que em tese é pensada para receber multidões, não dá ao torcedor a devida segurança.

Para começo de conversa, não existe uma única placa que alerte o torcedor do perigo de uma eventual queda. E ainda que o torcedor tenha tentado se pendurar na grade, o que não é confirmado, mas foi sugerido por algumas autoridades, ainda assim isto não isentaria o Almeidão justamente por causa da precária proteção que separa a arquibancada do fosso.

Mas tentemos reconstituir a cena. O torcedor vê o seu time do coração marcar um gol no minuto final do jogo e corre em direção à grade de proteção para comemorar mais perto dos jogadores. Uma cena que acontece em todos os jogos de futebol, tanto no Almeidão como no Amigão, o similar de Campina Grande que tem as mesmas características da praça esportiva pessoense.

Num desequilíbrio, o torcedor cai. Como aliás já caiu tantos outros. Sim… quem frequenta os dois estádios bem sabe que Tibério Barreto não foi o primeiro a despencar da arquibancada fosso abaixo. A cena está longe de ser nova. Ele nem mesmo é o primeiro que morreu.

Não. A coisa é mais grave. Jogar a culpa exclusivamente no torcedor é minimizar demais um problema crônico existente nos dois maiores estádios da Paraíba. E é manter vivos os alicerces que podem levar a uma outra morte. Uma outra tragédia no futuro.

Não se pode compactuar com esta tese acovardada de culpar exclusivamente o torcedor Tibério Barreto por sua morte. Ele é muito mais vítima do que culpado. Isto tem que ser lembrado sempre.

Em respeito a mais uma vítima do futebol paraibano.

Sem categoria

Raposa quase sem chances

A situação não está muito boa para o Campinense nesta reta final da primeira fase do Campeonato Paraibano.

Com a derrota desta quinta-feira para o Santa Cruz de Santa Rita, as chances de classificação para a fase final ficaram quase que remotas.

Ocupando atualmente a quarta colocação da tabela, com 20 pontos, a Raposa tem apenas dois jogos para passar do CSP, que tem 23 pontos, e chegar na cola do Sousa e do Auto Esporte (com menos um jogo), ambos com 24. Este último leva a melhor por ter maior número de vitórias.

Pelo regulamento, os dois primeiros garantem vaga na fase final.

Pensando nisso, a Raposa vai ter que fazer as contas, já que não depende mais somente dela. Além de ter que ganhar as duas últimas partidas, vai ter que “secar” os outros três times.

Mesmo ainda tendo chances, o técnico Freitas Nascimento já admitiu que não conta mais com esta possibilidade e ressalta as dificuldades que o time vai encontrar na próxima fase. O Treze e o Botafogo entram na disputa pelas outras duas vagas nas semifinais da competição.

fórmula 1

10 motivos para torcer por Massa em 2014

Anote! Pilotando uma Williams, Felipe Massa tem boas chances de ser o campeão desta temporada da Fórmula 1. E para você que quer voltar a acompanhar F1, vai aí 10 motivos que destaco para torcer pelo brasileiro:

1 – Em que pese os problemas nas últimas temporadas, Felipe Massa é um bom piloto. Bem melhor do que foi Rubens Barrichello.

2 – Além de Massa, a Williams tem outro brasileiro na equipe: Felipe Nars é o piloto reserva.

3 – A Williams vai carregar no bico do carro um logo em homenagem a Senna, marcando os 20 anos sem o ídolo.

4 – A equipe inglesa quebrou um jejum de vários anos e apresentou uma mulher como parte do time: Susie Wolff é pilota de desenvolvimento.

5 – Felipe Massa e sua Williams foram destaques positivos da temporada de treinos, que antecede a temporada.

6 – As novas regras da categoria acaba com a supremacia da Red Bull. O que abre espaço para a equipe inglesa disputar o título.

7 – Felipe Massa foi apresentado como a “grande aposta” da Williams, que queria um piloto experiente para liderar este novo projeto.

8 –  Se for campeão, Felipe Massa vai finalmente cumprir a missão que 20 anos atrás foi dada a Senna. Ser campeão a bordo de uma Williams.

9 – O melhor motor do ano é o da Mercedes. E em que pese o favoritismo para a temporada ser da equipe homônima, o motor da Williams também é Mercedes.

10 – A brasileira Petrobras segue como parceira técnica da equipe e fornecedora do combustível usado pela equipe durante o Mundial.

Futebol Nacional

Verdão emociona fãs e rivais

O jornalista Silas Batista foi quem descobriu esta obra prima da publicidade futebolística do Brasil. Um trabalho primoroso do departamento de marketing do Palmeiras, que convoca o torcedor a torcer e a ajudar o atual Palmeiras, tomando como base alguns dos principais ídolos do passado. O trabalho foi sensacional! Assista: