Dor crônica: cerca de 30% da população mundial apresenta o problema

Organização Mundial de Saúde estima que cerca de 30% da população mundial apresenta dor crônica

Pode parecer estranho, mas a dor é uma reação fisiológica necessária para o nosso organismo. Afinal, sentimos dor ao nos machucar e isso é um alerta para o nosso corpo tomar cuidado com a ação causadora da dor. No entanto, dores prolongadas não são normais e podem se caracterizar como “dores crônicas”.

De modo geral, a dor crônica é caracterizada como uma dor persistente por pelo menos três meses. No entanto, há algumas divergências entre a comunidade médica sobre o que configura dor crônica. Alguns estudos e profissionais apontam um mínimo de 6 meses de dor para considerar a dor como crônica. A dor crônica pode ser considerada, também, como uma dor que se estende para além do período esperado para a cura. Sendo assim, o diagnóstico de dor crônica pode variar em cada caso.

 

Dor cronica e dor aguda

 

As dores crônicas são divididas em dois tipos: 1) neuropáticas – decorrentes de lesão no nervo, como é o caso de traumas; 2) nociceptivas – causadas por um estímulo nocivo em algum tecido do corpo, como ocorre na tendinite.

A Organização Mundial de Saúde estima que cerca de 30% da população mundial sofra de dor crônica, ou seja, 3 em cada 10 pessoas no mundo apresentam o problema. Estudos apontam que a as mulheres são mais suscetíveis às dores crônicas devido a sua genética e hormônios e ao uso exagerado de salto alto (que pode trazer alterações na coluna e causar dores).

A dor de cabeça e dor de coluna são as principais manifestações de dor crônica. Ainda não há estudos conclusivos que apontem o porquê essas regiões são as mais afetadas, mas acredita-se que a dor crônica de cabeça esteja relacionada a fatores hormonais e a dor crônica de coluna a fatores posturais.

Tratamento

Tratar a dor crônica não é algo simples. Na grande maioria dos casos, o tratamento é interdisciplinar, envolvendo profissionais de diversas áreas da saúde, como medicina, enfermagem, fisioterapia, psicologia, entre outros.

O tratamento de pacientes com dores crônicas passa pelo uso de medicamentos, como por exemplo anti-inflamatórios, antidepressivos, analgésicos ou anticonvulsivantes; procedimentos intervencionistas, como radiofrequência ou bloqueios anestésicos; exercícios físicos; psicoterapia; relaxamento; acupuntura; meditação, dentre outros. Cada paciente vai apresentar uma resposta diferente a um determinado tipo de tratamento.

Além dos tratamentos citados, o paciente com dor crônica precisa manter hábitos saudáveis, como ter uma alimentação equilibrada e praticar atividade física. Mesmo quando não há possibilidade de cura, a dor crônica poder ser controlada e os tratamentos em conjunto com hábitos saudáveis proporcionam mais qualidade de vida ao paciente.