Obesidade: um problema de saúde pública mundial

A Organização Mundial de Saúde aponta a obesidade como um dos maiores problemas de saúde pública no mundo. Algumas estimativas indicam que o excesso de peso é a segunda causa de morte no mundo.

Um estudo publicado em 2017, no periódico científico New England Journal of Medicine, realizado pela Fardo Global das Doenças, constatou que mais de 2 bilhões de adultos e crianças, o que corresponde a 30% da população mundial, sofrem de problemas de saúde relacionados ao excesso de peso.

 

 

Obesidade no Brasil

Dados divulgados pelo Ministério da Saúde, em abril de 2017, apontam que em 10 anos a obesidade cresceu 60% no Brasil. A prevalência da obesidade passou de 11,8% em 2006 para 18,9% em 2016, atingindo quase um em cada cinco brasileiros. O excesso de peso também cresceu entre a população. Passou de 42,6% em 2006 para 53,8% em 2016.

A pesquisa ainda aponta que a obesidade é um dos fatores que pode ter colaborado para o aumento da prevalência de diabetes e hipertensão nos brasileiros. O diagnóstico médico de diabetes passou de 5,5% em 2006 para 8,9% em 2016 e o de hipertensão de 22,5% em 2006 para 25,7% em 2016.

 

O que causa o excesso de peso?

A obesidade é uma doença caracterizada pelo armazenamento excessivo de gordura no corpo e ocorre em razão do desequilíbrio entre a quantidade de alimento ingerido e a quantidade de energia gasta.

Os motivos que podem causar a obesidade, em geral, são multifatoriais e envolvem fatores genéticos, ambientais, estilo de vida e fatores emocionais. Maus hábitos alimentares, sedentarismo ou, por exemplo, a disfunções endócrinas, podem causar obesidade, por isso, se você está acima do peso, procure um especialista que analisará o seu caso.

 

Obesidade infantil

obesidade é uma disfunção que assusta cada vez mais pelos seus índices, no Brasil e no mundo. Causada, principalmente, por maus hábitos alimentares e falta de atividade física, a obesidade infantil tem consequências para as crianças até a sua vida adulta, mesmo que a obesidade seja revertida nesse período. Doenças como diabetes, hipertensão, cardiopatias e colesterol alto são algumas consequências da obesidade infantil não tratada. A condição também pode levar a baixa autoestima e depressão nas crianças.

 

Diagnóstico

Para o diagnóstico de obesidade em adultos, o parâmetro utilizado é o do índice de massa corporal (IMC), definido pela Organização Mundial da Saúde (OMS). É feito o seguinte cálculo:

 

IMC = peso (kg) ÷ (altura)²

 

Segundo a OMS, os resultados do cálculo do IMC indicam:

  • de 18,5 a 24,9: peso normal.
  • de 25,0 a 29,9: sobrepeso.
  • acima de 30: obesidade.

 

 

 

Existem outras formas de constatar o excesso de peso que agem em conjunto com o cálculo do IMC. São elas: cálculo da porcentagem de gordura e a medição da circunferência abdominal.

 

 

Tratamento

O tratamento da obesidade pode ser clínico ou cirúrgico. Nos dois casos, é necessária abordagem multidisciplinar, com assistência ao paciente, por uma equipe composta por profissionais da área de saúde, como endocrinologistas e psiquiatras, além de nutricionistas, psicólogos e fisioterapeutas.

Mudanças no estilo de vida, como uma alimentação equilibrada e realização de atividades físicas, são as principais formas de combater o sobrepeso. Também pode ser feito o uso de medicamentos, desde controladores de apetite até os que reduzem a absorção de gordura pelo organismo. Em casos mais graves, é indicada a cirurgia bariátrica, especialmente para quem possui o IMC acima de 35 e tem doenças associadas à obesidade, principalmente cardiopatias. Em todos os casos, o acompanhamento médico regular é fundamental.

 

Gastroplastia Endoscópica: procedimento menos invasivo contra a obesidade

A Gastroplastia Endoscópica, também conhecida como “bariátrica sem cortes”, é uma intervenção no estômago pouco invasiva, já que não possui nenhum tipo de corte. A cirurgia é indicada para os pacientes que se enquadram no caso clínico de obesidade.

O procedimento inovador foi realizado na Paraíba, pela primeira vez, no Hospital Memorial São Francisco, em novembro de 2017. E, desde então, pacientes em que apresentam quadro clínico de obesidade podem realizar a gastroplastia endoscópica no hospital.

Confira o vídeo abaixo no qual o presidente do Hospital Memorial São Francisco, o cardiologista Dr. Italo Kumamoto, fala  um pouco sobre obesidade.