Colesterol ruim: um mal que precisa ser combatido

A primeira coisa que devemos saber sobre o colesterol é que ele não é uma doença. Ele é um tipo de gordura importante para o funcionamento do nosso organismo. Nosso corpo usa o colesterol para produzir alguns hormônios, tais como vitamina D, testosterona, estrógeno, cortisol e ácidos biliares que ajudam na digestão das gorduras. No entanto, as taxas de colesterol elevadas trazem riscos à saúde, desencadeando doenças, principalmente cardiopatias.

 

Tipos de colesterol

Existem dois tipos de colesterol:

  • LDL – o “colesterol ruim” é responsável por transportar o colesterol para células e tecidos. Quando seu nível está elevado no sangue, pode ocorrer um acúmulo nas paredes das artérias que levam o sangue para o cérebro e coração.

 

colesterol ruim valores de referencia

Fonte: Sociedade Brasileira de Cardiologia

 

 

  • HDL – o “colesterol bom” transporta o colesterol dos órgãos e tecido para o fígado, removendo essa substância do organismo. O ideal é que os níveis de HDL no sangue sejam elevados para evitar o desenvolvimento das doenças cardíacas.

 

Fonte: Sociedade Brasileira de Cardiologia

 

 

Colesterol ruim: fatores de risco

O colesterol (LDL) alto não apresenta sintomas, por isso recomenda-se a realização de exames laboratoriais de rotina dos níveis de colesterol total e frações. Os principais fatores de risco para as elevadas taxas de LDL são:

 

Vale ressaltar que 70% do colesterol é produzido pelo nosso próprio organismo e 30% é proveniente na nossa alimentação. Portanto, uma má alimentação é um dos principais fatores de risco para as altas taxas de LDL.

 

LDL. Quanto mais baixo melhor?

De acordo com a Sociedade Brasileira de Cardiologia, o nível ideal de LDL deve ser identificado de acordo com o histórico de risco do indivíduo. Pacientes de alto risco, com diabetes, hipertensão e histórico de problemas cardiovasculares devem manter o nível de LDL menor que 50 mg/dl.

O grande cardiologista austríaco, Eugene Braunwald, defende que sem o LDL no organismo não haveria risco de aterosclerose (formação de placas de gordura e tecido fibroso nas paredes internas das artérias, causando obstruções que impedem o fluxo sanguíneo).

Diversos estudos recentes apontam que enquanto mais baixa a taxa de LDL melhor para o organismo. Em 2018 a Sociedade Brasileira de Cardiologia publicou as novas “Diretrizes de Dislipidemias e Prevenção da Aterosclerose”. No documento, os valores referências para as taxas de colesterol (LDL e HDL) foram modificados de acordo com as pesquisas atuais.

 

Quase metade dos adolescentes brasileiros têm colesterol alto

Uma pesquisa realizada pelo Erica (Estudos dos Riscos Cardiovasculares em Adolescentes) apresentou resultados assustadores relacionados ao aumento do índice entre os jovens: quase metade dos adolescentes de idades entre 12 e 17 anos têm colesterol alto. A incidência do problema em jovens está relacionada, principalmente, à obesidade e ao sedentarismo.

Os dados da pesquisa feita pelo Erica são alarmantes, já que crianças e adolescentes que têm taxas de colesterol alto serão adultos mais suscetíveis ao desenvolvimento de doenças cardiovasculares.

Desde a infância é preciso ter uma vida saudável. Uma alimentação equilibrada e atividades que afastem o sedentarismo são essenciais para que as nossas crianças e adolescentes tenham uma vida adulta muito mais saudável.

 

 

Tratamento para o colesterol ruim

O tratamento pode ser dividido em não medicamentoso e medicamentoso. A mudança nos hábitos de vida como educação alimentar, perda de peso, interrupção do tabagismo e a prática regular de atividades físicas são fundamentais para o controle e redução dos níveis de colesterol.

Se as mudanças nos hábitos de vida não forem suficientes para reduzir os índices de colesterol sanguíneo, o médico poderá optar pelo tratamento farmacológico, usando medicamentos que auxiliam na normalização dos níveis de colesterol. Contudo, mesmo com a intervenção farmacológica, as práticas saudáveis devem ser mantidas. Afinal, as práticas de hábitos saudáveis junto com o uso de medicamentos funcionam em conjunto no combate ao colesterol ruim.

Confira o vídeo abaixo no qual o presidente do Hospital Memorial São Francisco, o cardiologista Dr. Italo Kumamoto, comenta sobre o “colesterol ruim”, seus fatores de risco e sua prevenção.