Executivo 8:26

Políticos religiosos se articulam para tornar Igrejas atividades essenciais na Grande João Pessoa

Por ANGÉLICA NUNES

 

No momento em que o avanço dos números de mortos e contaminados pela Covid-19 impõe medidas restritivas, políticos com bases eleitorais religiosas se movimentam para tornar a realização de cultos e missas atividades essenciais.

Igrejas e templos estão com as atividades suspensas até o dia 10 de março em toda a Paraíba. Em pelo menos três cidades da Grande João Pessoa já há articulação para criar a essencialidade das celebrações religiosas. A brecha que eles estão usando é transformar as celebrações como essenciais com o fim do decreto estadual.

Cabedelo

Em Cabedelo, a medida partiu do próprio prefeito Vitor Hugo (DEM). O político é o mesmo que propôs recentemente um jejum coletivo como forma de combater a ‘guerra espiritual’ contra o coronavírus e depois da repercussão negativa casou a ideia com uma campanha para doação de alimentos.

Através de decreto municipal, ele pretende tornar o funcionamento de Igrejas e Templos serviço essencial na cidade. A medida ainda não foi publicada no Semanário do Município, mas a minuta prevê a liberação apenas quando acabar a vigência do decreto estadual, no dia 10 de março. Além disso, o decreto deve conter um limitador, que é a ocupação de apenas 30% da capacidade do local.

Santa Rita

Em Santa Rita, a iniciativa partiu do parlamento. A proposta, de autoria do vereador Célio Rufino (Podemos), foi aprovada por unanimidade na Câmara Municipal nesta terça-feira (2) e segue para sanção do prefeito Emerson Panta (PP).

O argumento do vereador é de que as igrejas e templos religiosos têm promovido “significativas ações de arrecadação de alimentos e materiais de higiene para doação aos mais necessitados”, nesse cenário de pandemia, e gerou questionamentos se generosidade com os menos favorecidos dependeria mesmo da realização de eventos presenciais. Assim como Cabedelo, a mudança só deve valer após o dia 10 de março.

Foto: divulgação/CMSR

João Pessoa

Na capital, um projeto de autoria do vereador Bispo José Luiz (PRB) deve ser analisado em plenário nesta quinta-feira (4). A proposta dele é que os cultos sejam essenciais apenas durante a pandemia. Apoiado pela vereadora Eliza Virgínia (PP), ele tentou aprovar a matéria em plenário, com parecer oral das comissões, na sessão da última terça (2), mas foi barrado pela maioria devido a dificuldade de compor as comissões para a análise da matéria.

O vereador Carlão do Bem (Patriota), que é do movimento católico, reivindica a análise de uma projeto similar de sua autoria, mas que torna a atividade essencial em tempo integral, independente de pandemia. Não há dúvidas que a ‘bancada da bíblia’ tenha força para aprovar a proposta.

Não custa lembrar que a suspensão de missas e cultos já foi analisada pela Justiça, no caso de Bayeux, nas cidades que estiverem em bandeira laranja, como é o caso dessas que estão planejando a liberação.

Comente
O seu endereço de email não será publicado.
Campos obrigatórios são marcados com *