Ipueira: cachaça com sabor de antigamente

Casa da moenda do Engenho Ipueira (Foto: Maurício Carneiro)

Utilizando métodos tradicionais de produção e maquinário secular, o Engenho Ipueira se renova e se reinventa.

Em pouco mais de 20 minutos vencemos os 11 quilômetros que separam a cidade de Areia, no Brejo Paraibano, do Engenho Ipueira, área rural da cidade e destino de nossa curta viagem. A estrada tem calçamento até o distrito de Mata Limpa. Seguindo, nas margens da estrada de terra e areia solta, a paisagem se mescla entre a mata nativa, plantações de agricultura familiar e a cultura da cana-de-açúcar.

Os 11 quilômetros nos fazem retroceder quase 100 anos. Chegamos ao pátio do engenho e nos sentimos voltando aos tempos em que o patriarca, Donato Feitosa, labutava com seu engenho. Fabricava rapadura, cuja cana era esmagada e moída na máquina produzida e patenteada pela empresa inglesa Wilian &A.Mc.Onie, fabricada em 1878, na cidade de Glasgow, Escócia. O bagaço era transportado nas padiolas banguê* e o doce cheiro do caldo de cana fervente exalava por toda a propriedade.

Como há cem anos, todo este cenário ainda está lá, vivo, ativo, vibrante.

A dama centenária e a garota propaganda

Transporte do bagaço da cana no banguê. (Foto: Maurício Carneiro)

Como saído de um livro de José Lins do Rego, dois rapazes colhem o bagaço após a extração do caldo e o transportam com um banguê para uma área que fica por trás das moendas. Será usado como combustível das fornalhas ou como adubo para as plantações de cana. Centenas de varas de cana-de-açúcar são impiedosamente esmagadas pela moenda centenária, extraindo o caldo que, em alguns meses, será brindado em copos e taças, sob a forma de cachaça.

A moenda chegou ao engenho Ipueira nos anos 1950, já vinda de outras batalhas, mas hoje continua presente e se impõe pela beleza. Pintada de cinza, parece nova e reluzente, como se acabada de desembarcar do navio que a trouxe da Europa. Mas ela não é uma velha enfeitada, nem uma aposentada peça de museu que testemunhou o passado. É, sim, uma bonita e ativa senhora, protagonista do seu tempo e trabalhando, há mais de um século, no que foi projetada para fazer: esmagando e moendo cana. Uma bela e orgulhosa Dama de Cinza. Sua beleza a habilitou a ser a “garota propaganda” do Engenho Ipueira. Seu perfil estampa o rótulo da sua cachaça premium (Ipueira Carvalho) e das embalagens de presente para as compras dos visitantes. Uma bonita homenagem a quem traz, impregnada nas suas engrenagens, o testemunho de vida e de trabalho de tantas gerações.

 

História

Conforme nos fala Anna Cristina Andrade Ferreira, a cana-de-açúcar sempre foi cultivada na região do Brejo paraibano, desde o início da colonização. Coexistia pacificamente ao lado das culturas alimentares e como atividade secundária durante o período de expansão do algodão. Com o declínio da atividade algodoeira, nos fins do século XIX, passou a dividir terras, de forma pacífica,  com a emergente cultura cafeeira.

Antes voltada para a produção do açúcar mascavo, de auto-consumo, a cana passou a ser utilizada como matéria-prima da rapadura e da aguardente.

Um dos alambiques do Engenho Ipueira (Foto Maurício Carneiro)

Os engenhos se multiplicaram, aumentaram sua capacidade produtiva e começaram a dominar a paisagem agrária. Suas moendas, antes de madeira, passaram a ser de ferro e os bois ou jumentos que as acionavam foram substituídos inicialmente pelo motor a vapor, em seguida, pelo motor a óleo diesel e posteriormente, pelo motor elétrico.

 

Celeiro do Sertão

A rapadura produzida no Brejo era vendida para os sertões dos estados da Paraíba e do Rio Grande do Norte. Os sertanejos vinham ao Brejo com comboios de burros para transportar a rapadura. Para a venda e  alimentação durante a viagem, eles traziam a carne seca de bode. As tropas de burros partiam da região carregados de rapadura, e de aguardente além dos cereais ali produzidos: feijão, fava, milho e a farinha de mandioca. O Brejo torna-se um verdadeiro “celeiro do Sertão”.

Usina Santa Maria

Conforme esclarece Antônio Augusto Almeida, “com o fim do ciclo do café, ocorre a instalação, em 1930, da Usina Santa Maria, foi quando houve uma grande decadência dos chamados “engenhos banguê**”. Essa, certamente, foi a fase mais depredadora em relação ao meio ambiente e ao patrimônio cultural da região. Segundo Almeida, “indiferentes a tudo que não representasse interesse imediato a seus negócios (a cana-de-açúcar ou a pecuária extensiva), os novos proprietários destruíram a cobertura vegetal de proteção dos morros e as matas ciliares, as paisagens típicas, os engenhos banguê e as edificações de interesse histórico e arquitetônico. Tudo, como sempre, feito em nome do progresso”.

Foi nesse cenário conturbado que, em 1936, o Patriarca: Sr. Donato Feitosa, fundou o engenho Ipueira. Sua ideia era fazer a rapadura e ocupar o vácuo deixado pela saída dos outros engenhos, de fogo morto, fechados pelo domínio das usinas.

E a rapadura virou cachaça

Sempre voltado, exclusivamente, para a produção de rapadura, o Engenho Ipueira se modernizou. Suas moendas foram ganhando melhorias. Desde a sua fundação nunca fechou as portas. Nunca esteve de “fogo morto”, mesmo diante das grandes dificuldades de se trabalhar com um produto totalmente artesanal e enfrentar a concorrência dos produtos (rapaduras) feitos sem qualidade, com açúcar refinado e em larga escala. Assim o Ipueira atravessou as décadas, sempre acompanhado por sua Dama de Cinza, até desembocar nos anos 2000.

A Centenária Dama de Cinza (Foto: Maurício Carneiro)

Ricardo Feitosa foi criado dentro da bagaceira  do engenho. Preocupava-se com as dificuldades do pai em se manter e pagar as contas da propriedade apenas com a produção da rapadura. Resolveu empreender e dividir o doce ofício do Ipueira com a produção de cachaça. Isso após observar que o mercado estava se abrindo mais ao consumo de aguardente. Assim, em 2002, juntou umas economias e montou, no engenho, um pequeno alambique. Sua produção limitava-se a cerca de 250 litros/dia de cachaça e vendia sua produção a granel na região de Areia. Não tinha rótulo nem embalagem específica, mas a qualidade da cachaça diferenciou seu produto, que ficou conhecida como “a cachaça do engenho Ipueira”.

Com o passar do tempo, a qualidade da cachaça foi ganhando nome e mercado. A rapadura foi perdendo espaço até ser retirada da linha de produção. Ao mesmo tempo, o engenho passou a receber mais investimentos, nos processos de produção, nos alambiques e na qualidade do produto final.

 

Saindo da clandestinidade

Para crescer e se estabelecer no mercado, Ricardo Feitosa entendeu que deveria legalizar sua cachaça. Para a legalização, iniciou-se um grande trabalho de profissionalização do engenho. Todo o processo foi adequado de modo a atender às normas do Ministério da Agricultura para o registro da marca, desde a retirada da cana-de-açúcar do campo até a rotulação das garrafas. Nasceu, assim, oficialmente, em 2010, a “Cachaça Ipueira Cristal”.

Engarrafada em frascos de 275 ml, foi aceita de imediato pelo mercado, devido ao bom nome já cultivado ao longo dos oito anos como cachaça a granel.

 

 Crescendo com respeito às tradições 

Donato Feitosa Neto -Donatinho. (Foto: APCA)

Seguindo formas tradicionais de produção, a Ipueira tem toda a sua plantação de cana-de-açúcar própria e voltada exclusivamente para a produção de cachaça. Segundo Donato Feitosa Neto, o jovem administrador da propriedade e integrante da terceira geração da família nos negócios do engenho, “a cana utilizada é selecionada, de acordo com a sua produtividade, em particular as variedades desenvolvidas pela Ridesa  (SP79-1011 e RB867515). Apesar de serem variedades criadas comercialmente, estão plenamente adaptadas ao clima e solos do Brejo”. Donatinho, como é mais conhecido, nos falou que “o sabor das cachaças de Areia são únicos e se pegar cana de outra região, mesmo sendo da mesma espécie, isso vai alterar o sabor e descaracterizar a cachaça”.

Conforme presenciamos, uma fase crítica para a qualidade final do produto, o processo de fermentação, é feito de forma artesanal, com cepas de leveduras desenvolvidas no próprio caldo (não se utilizam leveduras comerciais). “Esse processo é cuidadosamente acompanhado por funcionários especialmente treinados, pois é nele onde as características sensoriais da cachaça são obtidas (aroma e sabor). Cada detalhe é importante, pois neles estão o diferencial entre se produzir uma cachaça especial ou uma cachaça comum”, explicou Donatinho.

Dos seus cinco alambiques, quatro funcionam com aquecimento a vapor e o pioneiro (primeiro alambique da propriedade) produz com fogo direto, onde o bagaço é queimado abaixo da panela do alambique. A produtividade por tonelada de cana é, em média, de 130 litros de cachaça e a meta de produção da safra 2019/2020 é destilar 500 mil litros.

Trabalho e conquistas

Diz o ditado popular que todo esforço será recompensado. E as recompensas pelo trabalho bem feito vieram em pouco tempo no engenho Ipueira.

Hoje a empresa possui um variado portfólio de cachaças, brancas e envelhecidas e em vários volumes e tipos diferentes de garrafas.

Linha da Ipueira (Foto: Areiartes)

Em 2013, apenas três anos após sua legalização, a Cachaça Ipueira ganhou o prêmio da associação dos Químicos da Paraíba em parceria com o Sebrae. Figurou entre as três melhores cachaças do Estado. Após isso, os proprietários focaram no refinamento da qualidade e na penetração do produto nos mercados do interior da Paraíba e na capital, João Pessoa. Além disso, buscaram o mercado dos estados do Rio Grande do Norte, Pernambuco e outros do Nordeste.

APCA

A Ipueira é integrante da Associação dos Produtores de Cachaça de Areia (APCA). A Associação agrega nove produtores de cachaça da cidade, todos devidamente registrados no Ministério da Agricultura. Dentre outros objetivos, os associados buscam a obtenção da Indicação Geográfica (IG) para as cachaças da cidade de Areia/PB. A IG é um diferencial para os produtos característicos de uma região específica, o que lhes atribui reputação e identidade próprias, além de os distinguir em relação aos seus similares encontrados no mercado.

Novos horizontes

Com o processo da IG já avançado (neste mês de dezembro serão enviados os documentos aos órgão controladores), pode-se afirmar que a Ipueira, já em 2020, deverá ostentar em seu rótulo a distinção de Cachaça com Indicação Geográfica. Uma diferenciação que a habilitará a conquistar novos mercados, por sua qualidade reconhecida. Apenas três regiões  cachaceiras do Brasil possuem IG para a cachaça: Paraty (RJ), Salinas (MG) e Abaíra (BA). Em 2020 Areia entrará nesse rol.

Donatinho também nos explicou que, “num esforço conjunto de todos os nove associados, a APCA participou da Expocachaça 2019, levando as cachaças de Areia para Belo Horizonte, MG, na maior vitrine da cachaça no Brasil. Apesar de nunca ter participado de concursos, na categoria Carvalho Francês, a Cachaça Ipueira Carvalho ganhou a medalha de Prata. Nove cachaças que obtiveram pontuação para a prata e a Ipueira foi a melhor colocada dentre todas as concorrentes”. Ele esclareceu, ainda, que “não houve premiação com medalha de ouro para essa categoria, que é dada para pontuações a partir de 9,1. A Ipueira tirou 9,0″. Esta foi a primeira edição da Cachaça Ipueira em carvalho francês, que é uma tiragem limitada, armazenada por 5 anos”.

No ano de 2020, a Ipueira, juntamente com os demais associados da APCA estará novamente presente na Expocachaça, para repetir ou ampliar a premiação deste ano. “A tendência é que a associação, com a IG, participe mais ativamente de concursos de destilados pelo Brasil afora, vamos mostrar os atrativos de nossa região e a qualidade diferenciada do nosso destilado”, declarou o empresário.

Ipueira

Ipueira Carvalho. Prata na Expocachaça 2019 (Foto: Maurício Carneiro)

Situado numa área de privilegiada beleza, o Engenho Ipueira produz em 42 hectares de cana, tendo no total  400 hectares incluindo uma reserva florestal nos seus domínios. Suas terras são úmidas e férteis, com nascentes de água e mata preservada.

Desde o início da cultura canavieira no Brejo, até os dias de hoje, as áreas mais propícias para a plantação de cana-de-açúcar são as várzeas dos rios e as baixadas úmidas e férteis entre as encostas dos morros. Na região de Areia existem muitas várzeas, tanto é que, antigamente, a cidade já teve o nome de  Brejo d’Areia.

Brejo, alagadiço, várzea, ipueira. Todas denominações de regiões propicias à plantação de cana-se-açúcar.

Segundo o Dicionário da Língua Portuguesa, “ipueira” é um tipo de charco, terreno instável que se forma em lugares baixos, devido às enchentes dos rios.

Diferentemente do significado do seu nome, o Engenho Ipueira cresce vigoroso, não em área movediça ou encharcada, mas em terreno firme. Seu crescimento se apoia sobre bases sólidas, respeitando e se orgulhando do seu passado, buscando aprimoramento no presente e vislumbrando o futuro de forma planejada.

A Dama de Cinza ainda vai testemunhar muitas histórias de sucesso, pois tem saúde para trabalhar firme por muitos anos e estará presente em todas as grandes conquistas da Ipueira.

 

*Banguê: Estrado feito de cipós ou madeira, carregado por duas pessoas, para transporte de material (em especial bagaço de cana)
*Engenho Banguê: Os engenhos tipo “banguê” eram movidos a tração humana, animal ou rodas-d´água e produziam açúcar mascavo.

Patrimônio Histórico, Areia busca selo de Indicação Geográfica para suas cachaças

Areia-PB. Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Foto: Marco Pimentel)

 

Por MAURÍCIO CARNEIRO

A Indicação Geográfica (IG) é um diferencial para os produtos característicos de uma região específica, o que lhes atribui reputação e identidade próprias, além de os distinguir em relação aos seus similares encontrados no mercado

A surpresa e a sensação de que se está entrando num lugar especial vêm logo no início: postes, calçadas, janelas e praças estão enfeitadas. São jardins e vasos de flores que ladeiam ambos os lados da avenida que dá entrada à cidade. A ação é uma iniciativa dos moradores, como forma de dar as boas-vindas a turistas e visitantes. Estamos em Areia, na região do Brejo paraibano! Ela nos recebe com flores, história, alegria e cachaça… muita cachaça!

A partir de agora, você vai conhecer um pouco mais sobre essa bela cidade e saber como a possível conquista do chamado Indicador Geográfico deve atrair mais investimentos e turistas à região. Venha comigo nesse passeio!

Cidade especial

Detalhe do Centro da Cidade (Foto: ferias.tur.br)

A bela e histórica cidade de Areia (1846), berço do pintor Pedro Américo e do escritor José Américo de Almeida, tem seu centro histórico tombado pelo Iphan (Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional) desde 2006. Isso garante que os prédios são protegidos por lei federal específica e assegura sua preservação contra danos ou reformas indevidas, impedindo a descaracterização dos imóveis. Para conceder tal distinção, o Iphan baseou-se no valor histórico, urbanístico e paisagístico atribuído ao conjunto e na ativa participação da cidade nas revoluções ocorridas no século XIX. Na área tombada, existem cerca de 420 imóveis.

Situada na microrregião do Brejo paraibano, a cidade fica no topo da Serra da Borborema, a 618 metros de altitude em relação ao nível do mar, com uma população estimada em 22.940 habitantes (IBGE-2016).

Teatro Minerva, inaugurado em 1858 (Foto: Maurício Carneiro)

Dentre suas jóias arquitetônicas, destacam-se o Teatro Minerva, inaugurado em 1858, o Museu da Rapadura e o Museu Casa de Pedro Américo.  Além disso, o visitante pode conhecer a antiga Igreja de Nossa Senhora do Livramento, construída em 1861.

O centro histórico exala um clima bucólico que ameniza as tensões e o estresse da corrida vida das cidades grandes. À primeira vista, pode até passar despercebido aos desavisados, mas essa pacata cidade guarda, em seus casarões coloniais, nas suas ruas de paralelepípedo e nos seus engenhos de cachaça, seculares histórias de superação, paixão e orgulho.

Prepare os sentidos e as taças de degustação, afinal, estamos em Areia: Capital Nordestina da Cachaça!

O café preservou a cachaça

Parte do casario histórico de Areia, tombado pelo IPHAN (Foto: Tinho Santos)

A beleza arquitetônica da cidade foi construída desde o século XIX até os últimos anos da década de 1920. Os responsáveis foram os emergentes barões paraibanos do café, cuja cultura desenvolveu economicamente toda a região do Brejo da Paraíba na época.

Segundo o historiador Celso Mariz, no livro “Apanhados Históricos da Paraíba”, em 1919 a região do Brejo chegou a ter seis milhões de pés de café; a cidade vizinha de Bananeiras, sozinha, produziu 2.250 toneladas de café cereja em 1920. Assim, o vigor da cultura cafeeira protegeu as terras brejeiras contra a avidez da nascente classe dos usineiros que, no início do século XX, começou a expandir seus domínios e comprar muitas propriedades para a plantação da cana-de-açúcar em larga escala, para satisfazer a fome das usinas de açúcar, dizimando a cultura dos pequenos engenhos, que produziam o açúcar mascavo, a cachaça e a rapadura.

Felizmente, a Paraíba não teve o mesmo destino do vizinho estado de Pernambuco. A historiadora Maria de Lourdes Baptista Rodrigues, em seu trabalho, “Engenhos de Pernambuco”, nos esclarece que, neste Estado, entre o final do século XIX e início do século XX, os usineiros reduziram centenas dos pequenos engenhos a escombros, em favor das vastas plantações de cana, impondo, dessa forma, o domínio das usinas de açúcar sobre as antigas formas de produção.

Segundo Emília de Rodat Moreira, no estudo “Processo de Ocupação do Espaço Agrário Paraibano”, essa “proteção” do café também preservou a cultura da cachaça, da rapadura e do mel dos antigos engenhos, que coexistiam pacificamente com a cafeicultura.

Essa barreira protetora não foi totalmente efetiva, mas retardou em muito o império das usinas no Brejo paraibano, tanto é que, apenas em 1930, após o fim do ciclo do café, houve a implantação da primeira usina na região, a Usina Santa Maria. Isso deu tempo para o fortalecimento das pequenas propriedades e, apesar do fechamento de dezenas de engenhos, vários resistiram e sobreviveram.

Esses elementos históricos e a dinâmica dos ciclos e microciclos econômicos, experimentados na região, explicam o vigor e a diversidade hoje vivida pela indústria cachaceira do Brejo, se comparados com o desempenho de outas regiões da Paraíba e do restante do Nordeste.

Assim, Areia colocou o DNA da cachaça de forma definitiva no seu perfil econômico, o que a diferencia hoje de qualquer outra do Nordeste brasileiro.

Necessidade de unir forças

Em 2017, conforme o Censo Agropecuário, foram identificados 61 engenhos nas nove cidades do Brejo paraibano (entre os legalizados, os em fase de legalização e os clandestinos). Ao observar a falta de união entre produtores de cachaça do restante do Estado, os proprietários dos engenhos de Areia resolveram se unir, com o objetivo de buscar formas eficientes de agregar valor, poder de barganha e visibilidade às cachaças da região.

Thiago Baracho, Presidente da APCA – PB. (Foto: Engenho Triunfo)

Assim nasceu a Associação dos Produtores de Cachaça de Areia (APCA-PB), cujo presidente, Thiago Baracho, é, também, o responsável técnico da Cachaça Triunfo. “A proposta da associação baseia-se no esforço unificado de um grupo de produtores para alcançar benefícios comuns que atendam às demandas e necessidades do negócio da cachaça na região e da própria cidade de Areia”, explica Thiago.

APCA e a Indicação Geográfica

Areia é a quarta cidade do Brasil com maior número de estabelecimentos produtores de cachaça (Anuário da cachaça 2019). Para os especialistas, técnicos e degustadores, as cachaças produzidas na região do Brejo paraibano possuem características únicas, seja pelo clima e topografia (região de altitude média-alta, com clima variando entre 12°C e 31°C ao longo do ano), seja pelos elementos químicos e orgânicos que compõem o solo, ou ainda pela variedade de cana-de-açúcar ou mesmo pelos processos e peculiaridades na fabricação.

 

Outra característica diferenciada é a importância da cachaça como elemento sócio-cultural. A dinâmica de vida dos areienses, literalmente, sempre se entrecruza com a aguardente, nos mais diversos aspectos cotidianos. Tanto é que, na Paraíba, o fato de alguém dizer que vai visitar Areia, sempre traz o significado, nas entrelinhas, que essa pessoa vai beber ou comprar cachaça (e os pedidos de encomendas são inevitáveis). Areia tornou-se sinônimo de cachaça – da boa.

Tudo isso habilitou, os produtores de Areia, que pleiteassem uma Indicação Geográfica (IG) para as suas cachaças.

A IG é conferida a produtos que são característicos do seu local de origem, o que lhes atribui reputação, valor intrínseco e identidade própria, além de os distinguirem em relação aos seus similares disponíveis no mercado. São produtos que apresentam uma qualidade única em função de recursos naturais como solo, vegetação, clima e saber fazer (know-how ou savoir-faire). O Instituto Nacional da Propriedade Intelectual (Inpi), órgão do Governo Federal, é o responsável por emitir os registros da IG. No Brasil, apenas três regiões possuem IG para a cachaça: Paraty (RJ), Salinas (MG) e Abaíra (BA).

Unindo forças

Thiago Baracho explica que a APCA foi fundada em 2017, tendo como um dos seus objetivos principais justamente o reconhecimento de uma Indicação Geográfica para a cachaça produzida exclusivamente na cidade de Areia, salientando sua diferenciação técnica, geográfica e sensorial das demais presentes no mercado.

Segundo ele, “na composição da associação estão dez engenhos: Aroma da Serra, Cristal de Areia, Elite, Ipueira, Matuta, Princesa do Brejo, Serra de Areia, Triunfo, Turmalina da Serra e Vitória. Todos registrados junto ao Ministério da Agricultura Pecuária e Abastecimento (Mapa)”.

O processo para que todos os requisitos do Inpi fossem atendidos demandaram mais de dois anos de trabalho, num esforço conjunto da APCA e do Instituto Federal da Paraíba (IFPB), Campus Areia.

Docente do IFPB, a pesquisadora Maria Cláudia Rodrigues Brandão (doutora em Ciências com habilitação em Química Orgânica) foi a responsável pelo desenvolvimento e adequação de toda a documentação referente ao pedido de IG, além de ter elaborado o levantamento histórico relativo à produção de cachaça na cidade.

A documentação será enviada ainda neste mês de dezembro para o Inpi. Serão necessários até sete meses para a conclusão de todo o processo. Isso nos faz crer que, em 2020, os produtores associados poderão ostentar nos rótulos de suas cachaças o selo de produto com Indicação Geográfica de Areia/PB, sendo a quarta região cachaceira do Brasil a conseguir tal feito e o segundo IG da Paraíba – o primeiro foi do algodão colorido, em 2012.

Dinamismo econômico

A produção cachaceira de Areia é responsável por uma grande parcela da produção da bebida no Estado; de fato, é a maior força econômica da cidade. Segundo dados da Receita Estadual, as cachaças da cidade respondem por 45% da arrecadação de ICMS sobre o produto na Paraíba e um dos associados, a Cachaça Matuta, figura entre os 100 maiores pagadores desse imposto no estado, ano de 2018.

Coleta da cachaça ao final da destilação (Foto: Maurício Carneiro)

De acordo com Thiago Baracho, os dez associados da APCA produziram cerca de 5 milhões de litros de cachaça na safra 2018/2019, aquecendo e sustentando a economia da região. Juntos, os engenhos ofertam 200 empregos diretos, número que sobe para 500 na época da safra, nas atividades de corte, moagem, destilação, engarrafamento etc. “Os empregos indiretos contabilizados chegam a mais de 2.000”, destaca o presidente da APCA.

 

O que muda com o selo de Indicação Geográfica?

Legalmente, o principal efeito do reconhecimento de uma Indicação Geográfica pelo Inpi é a não diluição do nome geográfico. Isso impede o seu uso por terceiros, como marca ou expressão de propaganda, bem como dificulta que o mesmo se torne nome comum e designativo da própria coisa. Por exemplo: o termo “carne de sol de Picuí” (produto evocativo de uma cidade paraibana famosa por sua carne de sol), que hoje é utilizado em todo o Brasil, consiste em uma designação genérica da carne de sol. Ou seja, Picuí perdeu sua identidade geográfica. O mesmo ocorre com a cachaça, produto genérico que pode ser fabricado em qualquer lugar do país.

Com a IG, o consumidor terá a certeza de que estará consumindo um produto específico e legítimo, produzido na Capital Nordestina da Cachaça (como sempre insisto em chamar): Areia/PB.

A IG poderá, ainda, ser utilizada pelos seus titulares como um instrumento de competitividade no mercado, estabelecendo estratégias coletivas de divulgação e controle, buscando a fidelização do consumidor e uma diferenciação ante os produtos similares.

 

Fórmula vencedora

Além de ser uma cidade com vários atrativos naturais e Patrimônio Histórico Cultural Nacional, Areia, com a IG, terá um maior vigor econômico, nos empreendimentos impulsionados pelo negócio da cachaça, tais como o turismo rural, turismo etílico, eventos, bares e restaurantes, empreendimentos imobiliários, hotelaria, dentre outros. Isso em decorrência de uma nova visão e comportamento do consumidor com relação à cachaça, visão esta que abrange não apenas o líquido em si, mas todo um conjunto de aspectos multifacetados.

Os novos consumidores da cachaça buscam mais que o simples líquido (Foto: Maurício Carneiro)

Observa-se que o consumo da cachaça caminha para a conjugação entre elementos de diferentes setores econômicos: a experiência sensorial proporcionada nas degustações, aliada à gastronomia local (possibilitando excelentes oportunidades de harmonização com a cozinha regional) e enriquecida pelo turismo nas localidades de produção das bebidas. Temos, assim, um ciclo virtuoso, onde todos ganham.

É importante salientar, ainda, um cuidado maior do consumidor, que, nessa busca por experiências sensoriais diferentes, e maior qualidade, passou a observar melhor e diferenciar as características da bebida, seus modos de preparo, a responsabilidade social de empresas e produtores e os aspectos relacionados aos cuidados com o meio-ambiente. Itens que os produtos e os produtores de Areia já atendem naturalmente.

A tudo isso podemos somar as qualidades únicas de Areia (seu clima, sua arquitetura, sua cultura, sua brejeirice) e teremos, ao final, uma fórmula vencedora, um verdadeiro caso de sucesso, cuja história eu me orgulho de estar agora, vivenciando, contando e propagando.

Um brinde à cachaça e ao povo de Areia!!!

Os Rituais da Cachaça: de onde vem o costume de dar uma “pro santo”?

O ar de sobriedade que adotam os apreciadores da cachaça antes de beber parece até contraditório. Antes de tomar, é obrigatório despejar um pouco da bebida no chão e anunciar: “pro santo”. Mas a contradição se desfaz quando se investiga a fundo a origem dessa tradição tão brasileira.

 

Ouça o áudio Confraria do Copo, onde falamos a respeito dos Rituais da Cachaça.

Jogar uma pro santo é um ritual mais antigo do que o próprio Brasil.

O ritual é conhecido: despeja-se o primeiro gole da bebida no chão e em seguida se diz  “uma cachaça pro santo”. Segundo a cultura popular, a cachaça é oferecida  para o santo em busca de proteção. Essa expressão e o ritual têm influência direta dos colonizadores portugueses e jesuítas.

O costume de derramar bebida no chão, antes de beber, é uma prática muito mais antiga que o próprio Brasil. O gesto nasceu de um ritual chamado “Libação”, que, segundo o jornalista Edson Borges, autor de uma vasta pesquisa sobre a relação entre a cachaça e as religiões, foi criado por gregos e romanos “e consistia em uma oferenda aos deuses para que eles provessem os lares de felicidade, harmonia e fartura”. Tais oferendas eram de vinho, azeite e leite.

No Brasil, a prática foi trazida pelos colonizadores portugueses e jesuítas, e foi incorporada durante o consumo de cachaça pelos escravos.

Com a imposição do consumo da bebida, os portugueses também impuseram São Benedito, filho de um escravo, como padroeiro dos escravos e, por tabela, da aguardente, fazendo nascer daí uma relação bem mais ampla dos negros com o São Benedito, a ponto de surgirem várias  irmandades na Bahia.

A partir daí, a cachaça passou a ser usada, também, em oferendas nas religiões com matrizes africanas, como o Candomblé, com a mesma finalidade da Libação: um pedido de proteção aos orixás.

Falando dos cultos de raízes africanas, existe uma relação entre a cachaça e a figura do Orixá Onilé. Essa divindade representa a base de toda a vida, a Terra-Mãe, tanto na vida como na morte.

Onilé é o primeiro a receber as oferendas e a ser evocado nos ritos dos sacrifícios. Como forma de pedir libertação e proteção em troca de oferendas, derrama-se uma dose de cachaça na terra para agradar o  “santo”, que, na verdade, é o Orixá.

A relação entre cachaça e religiosidade gerou também outras diversas práticas e rituais relacionadas à bebida.

Tem gente que se benze antes de tomar a primeira, por que a cachaça também é chama de água benta. Da mesma forma há os que fazem caretas exageradas, isso pra espantar os maus espíritos.

Na Bahia, no interior de Goiás e de Minas é comum que se sopre ou se abane o copo da cachaça, Segundo dizem, é pra fazer sair o espírito do álcool. Isso é bem interessante por que os alquimistas, na idade média, destilavam o vinho e ao perceberem que o álcool gerado da destilação era inflamável, eles diziam que este era o espírito do vinho.

Existe o ritual de tomar a primeira dose de olhos abertos, para ver o rosto da mulher amada, mas há, também, outro ritual muito interessante que é o de tomar a última dose de olhos fechados. Na região Norte é uma tradição se fazer isso, por que, segundo dizem, se você toma o último trago de olhos abertos, você pode ver o olho da morte no fundo do copo.

Mas com ritual ou sem ritual, sempre beba com moderação. Beba Cachaça de qualidade, registrada e que não te faça mal no dia seguinte, assim o santo vai adorar, pois o ritual da ressaca, nem o diabo merece.

De João Pessoa a Campina Grande via Brejo Paraibano: muita história, cachaça e forró

Este blog é sobre cachaças, mas como festa junina, história e  forró  também têm tudo a ver com a Paraíba, eu preparei um misturão com esses elementos.

 

Aproveitando o mote junino, fiz um trajeto para quem quer ir de João Pessoa a Campina Grande pra forrozar no Maior São João do Mundo (programação). O roteiro inclui o Brejo Paraibano, onde você poderá conhecer um pouco da história e das belezas arquitetônicas e naturais da região e, claro,  saborear algumas das melhores marcas de cachaças produzidas  no Brasil.

Pré-requisitos: alguém que dirija e não beba, disposição para degustar cachaças deliciosas e uma boa câmera fotográfica

Sobrado

Engenho Nobre: cachaças premiadas dentro e fora do Brasil

Logo no começo da viagem, na BR-230, Km 71, você encontra o Engenho Nobre. Ele fica às margens da BR,  na região da cidade de Sobrado, mas no sentido Campina – João Pessoa, então você vai ter que fazer um retorno.

O Engenho fabrica as cachaças Sapequinha e as premiadas  Nobre, e Arretada  (medalha de prata no San Francisco Distilled Spirits Competition, 2019). Lá você tem visitação ao engenho, degustação na adega e pode comprar cachaças na lojinha. Os preços são bem inferiores aos encontrados no mercado. O proprietário é um mineiro-paraibano  super simpático e comunicativo (posso passar o contato dos proprietários por e-mail para quem tiver interesse em marcar uma visita).

Alagoa Grande

Seguindo em frente, no Km 112 da BR-230,  você vai sair da BR e pegar a PB-079. O destino é o Brejo paraibano e a cidade,  Alagoa Grande (1865) –  terra de Jackson do Pandeiro. Mas não vá com tanta sede ao pote das cachaças, conheça antes um pouco da cidade.

Resultado de imagem para cachaça volupia

Cachaça Volúpia, várias vezes eleita uma das melhores do Brasil

Dê um tempinho para umas fotos no “Pandeirão”, o portal de entrada do município. Você pode visitar o museu Jackson do Pandeiro, que possui vários objetos pessoais do Rei do Ritmo. Visite também o Teatro Santa Ignêz, construído em 1905. Conheça a Casa de Margarida Maria Alves, onde são guardadas a memória e a história dessa que foi a maior líder sindical brasileira de todos os tempos.

Agora as cachaças: siga para o engenho Lagoa Verde, que fabrica a nacionalmente conhecida e multipremiada Cachaça Volúpia. Você terá a visitação ao engenho e poderá se deliciar com um belo café da manhã ou com o famoso almoço regional do restaurante Banguê, que fica na propriedade. O engenho possui várias opções de turismo ecológico. Excelente oportunidade para se contemplar as belezas naturais do Brejo Paraibano. Na hora das compras, há uma elegante lojinha que vende as cachaças do engenho a preços excelentes.

Em Alagoa Grande você também deve ir ao Engenho Gregório de Baixo, que fabrica a ótima cachaça Gregório. Uma potência de 45 graus de teor alcoólico,  mas de suavidade e sabor que impressionam.

Areia

Siga 18 Km à frente, ainda pela PB-079 até a belíssima e histórica cidade de Areia (1846),  berço do pintor Pedro Américo e do escritor José Américo de Almeida. A cidade tem seu centro histórico tombado pelo IPHAN – Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional. O conjunto histórico e urbanístico de Areia foi tombado, em 2006. Para o tombamento, o IPHAN baseou-se no valor histórico, urbanístico e paisagístico atribuído ao conjunto, pela ativa participação da cidade nas revoluções ocorridas no século XIX.

Você vai se encantar com a beleza da cidade. Conheça o Teatro Minerva, inaugurado em 1858, vá ao Museu da Rapadura e ao Museu Casa de Pedro Américo. Conheça a antiga Igreja de Nossa Senhora do Livramento, construída em 1861. Curta o clima bucólico da cidade e tire belas fotos nas simpáticas ruas de paralelepípedo com suas casas coloniais. Além disso tudo, a cidade também organiza um São João bem tradicional, com forró pé-de-serra e comidas típicas.

Resultado de imagem para cachaça triunfo

Cachaça Triunfo: portfólio variado e muitas vezes premiado

A cidade, por si só, já vale a visita, mas nosso passeio inclui cachaças, então siga para o Engenho Triunfo.

O Engenho possui uma ótima infraestrutura turística e é aberto todos os dias para visitas guiadas. Ao fim da visita, há uma degustação de cachaças, além de frutas, caldo-de-cana e até sorvete de cachaça. Você prova e depois, se quiser, compra na loja. Uma variedade incrível de produtos. São belas opções para a sua adega, para presentear e claro, pra tomar umas boas doses também.

Logo depois do Engenho Triunfo, você vai encontrar o Engenho Vaca Brava, da também premiada Cachaça Matuta. Eles fazem visitação guiada, que inclui a loja para degustação e venda de cachaças e outros produtos. É um belo passeio num dos lugares mais bonitos da Paraíba.

Cuidado nas compras

Resultado de imagem para cachaça matuta umburana

Ouro na Expocachaça 2019

Areia possui mais de 40 engenhos e você pode encontrar dezenas  de cachaças excelentes com preços super camaradas no comércio local. A variedade é enorme, então aconselho a você procurar as cachaças registradas no Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa). Consulte no rótulo da cachaça se é mostrado o número desse registro. Se não tiver, não compre, pois pode ser um produto clandestino ou sem inspeção sanitária. Essa dica vale para a compra de cachaças em qualquer lugar que você visitar.

Ipueira Carvalho: a melhor da categoria na Expocachaça 2019

Dentre as cachaças da região posso citar as que integram a APCA (Associação dos Produtores de Cachaça de Areia): a Turmalina da Serra (cachaça simplesmente espetacular), Aroma da Serra, Vitória, Princesa do Brejo, Ipueira, Elite e a Cristal de Areia. Vários engenhos também possuem lojinhas na cidade, é só procurar que você encontra.

 

Bananeiras

Invista um pouco mais de tempo (vai valer muito a pena) e dê uma esticada para conhecer outra joia arquitetônica preservada  da Paraíba:  a cidade de Bananeiras (1879). Fica há 50 Km de Areia. Nas pequenas ruas do Centro Histórico, o casario reúne mais de 80 construções tombadas pelo IPHAEP – Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Estado da Paraíba. A região foi primeiramente produtora de cana-de-açúcar e depois de café. Em 1852, a produção cafeeira chegou a ser a segunda do Nordeste. Isto tornou a cidade uma das mais ricas da região, riqueza esta expressa na arquitetura de seus casarões

Em meio ao frio que proporciona por sua localidade, com 526 metros de altitude, a cidade consegue transmitir o calor acolhedor a quem a visita.

Resultado de imagem para cachaça rainha paraibana

Sinônimo do estilo paraibano de se fazer cachaça

Dois engenhos das tradicionais aguardente Rainha e cachaça Cascavel mostram aos turistas suas instalações e explicam sobre o processo de fabricação da cachaça. Como eles ficam na área rural da cidade, em vias sem sinalização, vale passar antes pela Casa do Turista, na Praça Epitácio Pessoa, para perguntar sobre o caminho – se preferir, o lugar oferece guias para acompanhar o passeio.

O engenho Goiamunduba fabrica, desde 1854, a maravilhosa aguardente Rainha, que é a aguardente de cana mais forte comercializada no Brasil. “Forte” entre aspas, pois o produto é tão bem feito e suave que, ao beber, você não sente que está ingerindo 50% de álcool. A Rainha, tecnicamente, não pode ser chamada de cachaça, e sim de aguardente, devido ao seu alto teor alcoólico – isso porque a legislação só considera cachaça se tiver graduação alcoólica entre 38% e 48%.  Mas é uma bebida respeitada por todos os especialistas em cachaça do Brasil, tonando-se sinônimo da produção cachaceira da Paraíba.

 

Alagoa Nova

Retorne para Areia e, já no caminho para Campina Grande, percorra mais 18 quilômetros, até a cidade de Alagoa Nova (1904), pela PB-097. A cidade também investe no tradicional São João, em junho. Agosto é reservado à Festa da Galinha e da Cachaça e também à Rota Cultural Caminhos do Frio. Dessa rota, participam quase todas as outras cidades do Brejo Paraibano. Nossa parada será no engenho Novo e Beatriz, onde se fabrica a também premiada cachaça Serra Preta, que é outra pauleira de 45% de álcool, mas super bem resolvida e equilibrada.

 

Campina Grande

Até Campina Grande (1864) são só mais 30 Km. A essa altura você deve estar num pé e noutro para aproveitar seu São João e beber suas cachacinhas, mas, calma!

Como Campina é a cidade polo de todo o Agreste da Paraíba, vá antes à Feira Central, pertinho, no centro da cidade. Procure a rua das cachaças, que possui vários comércios de bebidas que vendem praticamente todas as marcas produzidas no Estado. É uma ótima opção de compra, além de render fotos excelentes na Feira de Campina Grande, que, desde 2017 é reconhecida pelo IPHAN como Patrimônio Cultural do Brasil.

Em Campina você ainda pode misturar forró e cachaça em vários outros locais, como: Estação do Turista, na Vila do Artesão e no Salão do Artesanato de Campina Grande.

Chegamos ao fim do nosso passeio!

Agora é só se deliciar com esses verdadeiros orgulhos da Paraíba. Curta sua bebida no Parque do Povo, em ótima companhia e ao som de um bom forró pé de serra.

Espalhados pela Paraíba existem vários outros engenhos com excelentes cachaças, esta foi uma amostra. Conheça tudo sobre nossa produção cachaceira acompanhando este blog e a coluna Confraria do Copo, na CBN João Pessoa.

Feliz São João!

Pra falar comigo, escreva um comentário aqui ou mande e-mail mauricio@rotulobrasil.com.br .

O WhatsApp direto é 83 9 8793 6402.

Uma Grande Mentira: as estórias contadas sobre o nascimento da cachaça

Uma grande mentira toma corpo na internet

A obra do historiador capixaba Eliezer Ortolani conceitua bem a nossa tendência a crer em coisas fantasiosas, segundo ele:

Nosso passado de escravidão, religiosismo e mitificações nos conduz a aceitar como verdadeiros atos e fatos sem um mínimo de base histórica. Nossa cultura, embasada no atavismo do imaginário português, nos impele à propensão ao aceite de coisas fantasiosas, mitos, lendas e estórias descaradamente mentirosas, que turvam, distorcem e escondem a realidade histórica dos fatos.

É exatamente reforçando essas fantasias e mentiras que circula pela internet, num número alarmante de páginas e até de trabalhos mais sérios, como algumas teses de mestrado e doutorado, uma mentirosa “história” sobre a origem da cachaça e das palavras aguardente e pinga. Um texto que agride a inteligência de qualquer pessoa munida de senso crítico e que pare para pensar no assunto durante um ou dois minutos.

Nós, como estudiosos da história da cachaça temos a obrigação de levar conhecimento e informação a todos os que se interessam pela verdade histórica dos fatos.

A mentira

Vejamos o que diz essa tão propagada lenda:

Antigamente, no Brasil, para se ter melado, os escravos colocavam o caldo da cana-de-açúcar em um tacho e levavam ao fogo. Não podiam parar de mexer até que uma consistência cremosa surgisse. Porém um dia, cansados de tanto mexer e com serviços ainda por terminar, os escravos simplesmente pararam e o melado desandou! O que fazer agora? A saída que encontraram foi guardar o melado longe das vistas do feitor. No dia seguinte, encontraram o melado azedo (fermentado). Não pensaram duas vezes e misturaram o tal melado azedo com o novo e levaram os dois ao fogo. Resultado: o “azedo” do melado antigo era álcool, que aos poucos foi evaporando e formou no teto do engenho umas goteiras que pingavam constantemente, era a cachaça já formada que pingava, por isso o nome (PINGA). Quando a pinga batia nas suas costas marcadas com as chibatadas dos feitores ardia muito, por isso deram o nome de ÁGUA ARDENTE. Caindo em seus rostos e escorrendo até a boca, os escravos perceberam que, com a tal goteira, ficavam alegres e com vontade de dançar. E sempre que queriam ficar alegres repetiam o processo. Hoje, como todos sabem, a AGUARDENTE é símbolo nacional!

 

As inconsistências históricas

Esse texto foi disseminado, de forma apócrifa, sem nenhum dado que permita saber de onde vêm as suas fontes de informação e sendo atribuído ao Museu do Homem do Nordeste, sediado em Recife, e isso é mais uma mentira, conforme esclareceu a coordenadora geral do museu, Vânia Brayner:

 “Caros, sinto informar-lhes que esta história nunca foi contada pelo Museu do Homem do Nordeste, em nenhum de seus escritos, exposições ou qualquer documento do Museu. Nós, que fazemos o Museu do Homem do Nordeste, estamos numa verdadeira saga na internet tentando descobrir de onde saiu essa história… do Museu, tenham certeza, não foi”.

Vamos começar nossa análise pelas inconsistências históricas: A aguardente (coisa e palavra) já existiam mesmo antes que o primeiro português pusesse o pé por essas bandas  do planeta. A data precisa é incerta, mas, embora a destilação já fosse conhecida pelos árabes desde a Idade Média, pesquisas situam o início da destilação de álcool em torno do século XII. O latim medieval aqua vitae, que teve descendentes em diversos idiomas, pode ter tido uma participação na formação do vocábulo, mas o sentido literal de aguardente está mais próximo do holandês vuurwater, “água de fogo”. O fato é que a ligação entre álcool e água aparece em inúmeras culturas (vodca e uísque também compartilham essa ideia), o que torna difícil dizer como começou.

Os primeiros registros do vocábulo aguardente em português datam do século XV, ou seja, antes do descobrimento. Em espanhol, aguardiente era termo usado desde 1406.  Estima-se que no início do século XIV a produção de bebidas obtidas pela destilação de cereais, uva e sucos fermentados de outras frutas atravessaram fronteiras e começaram a se popularizar em diversos países europeus. Temos como exemplo a Alemanha, que fez a cereja originar o kirsh; a Itália fermentou e destilou o mosto produzido pelo bagaço da uva e criou a grappa; a Rússia fez o centeio virar a vodca; a Escócia transformou cevada maltada no whisky e em Portugal, a sobra da vinificação da uva transformou-se na bagaceira, obtida pela destilação do vinho, do bagaço de uvas, de cereais, ou de outro produto vegetal doce. Nossa cachaça não ganha nem citação nominal, ofuscada pela bagaceira portuguesa, ou seja, a destilação já era totalmente conhecida e dominada por boa parte do mundo da época. A cachaça só foi criada no inicio do século XVI.

Já a pinga, outra palavra cuja etimologia o texto finge iluminar, surgiu muito tempo depois, registrada pela primeira vez em 1813. Vem de “pinga”, ou seja, “cachaça”, aplicada ao sentido de “gota”, “quantidade pequena de líquido”, do Latim PENDICARE, “pingar, estar pendurado”. A princípio tinha a acepção de “gole, trago” – por meio da ideia de algo que apenas se pinga no copo, em pequeno volume – e só depois, por extensão, virou sinônimo de cachaça.

A verdade

Os levantamentos históricos datam o nascimento da cachaça em três lugares distintos, Itamaracá – PE (1516), Porto Seguro – BA (1520) ou São Vicente – SP (1532). O fato é que a cachaça nasceu em algum lugar do litoral brasileiro , infelizmente, sucessivas guerras, invasões, saques  e incêndios deixaram muitos dos documentos históricos resumidos a memórias e registros de historiadores.

Colocados os “pingos nos is”, resta a certeza de que as primeiras produções de cachaça foram planejadas pelos colonizadores, nada foi ao acaso e nem invenção de escravos preguiçosos. Os europeus já dominavam as técnicas de destilação havia muito tempo, produzindo bebidas como a bagaceira. Uma evidência é que o nome mais aceito para cachaça vem do espanhol “cachaza”, um tipo de bagaceira de baixa qualidade produzida pelos ibéricos a partir das cascas e talos da uva. Como não tinham uvas aqui e os navios com a bagaceira demoravam muito entre os carregamentos, os patrícios improvisaram uma bebida com o resíduo da cana e foi daí que nasceu o nosso tão amado destilado nacional.

E PONTO FINAL.

 

Dia Nacional da Cachaça

Sempre que chega essa data (21/05) eu preciso reforçar algumas informações, pois se faz  uma certa confusão acerca do dia 21 de maio como sendo o dia nacional da cachaça. Eu recebo (e agradeço) de vários amigos, mensagens sobre essa data, mas, a bem da boa informação, eu digo que há que se fazer uma correção: na data de hoje é comemorado o dia da cachaça mineira , a data se refere ao dia em que o então governador de Minas, Itamar Franco, assinou o decreto que regulamenta a produção de cachaça em Minas Gerais e também marca o início da safra no estado. Ela é comemorada desde 2001.

Já o dia Nacional da Cachaça é o dia dia 13 de setembro e foi escolhido em homenagem à data em que a cachaça passou a ser oficialmente liberada para a fabricação e venda no Brasil, em 13 de setembro de 1661.
Essa legalização só foi possível após uma revolta popular contra as imposições da Coroa portuguesa, conhecida como “Revolta da Cachaça“, ocorrida no Rio de Janeiro.
Até então, a Coroa portuguesa impedia a produção da cachaça no país, pois o seu objetivo extinguir nosso destilado e o substituir pela bagaceira, uma aguardente feita com bagaços da uva, um subproduto da produção do vinho. A criação do Dia Nacional da Cachaça foi uma iniciativa do Instituto Brasileiro da Cachaça (Ibrac), e foi instituído em junho de 2009, desde então, comemora-se o 13 de setembro como o Dia Nacional da Cachaça.

Então, parabéns às cachaças mineiras e toda a sorte do mundo para as cachaças de todo o Brasil.

Cachaça: breve história da ascensão do destilado nacional

Início Difícil

Apesar de ser tão antiga quanto o próprio Brasil, a cachaça nunca foi aceita pelas velhas elites brasileiras. Desde o início a cachaça sempre foi associada ao povão, às classes menos favorecidas. A partir de 1850, com o declínio do trabalho escravo e a intensificação econômica do café, surge no Brasil a elite dos Barões do Café, mais identificados com a cultura e hábitos europeus. Nesse cenário o padrão era: filhos educados na Europa; uso do fraque, bengala e cartola; a bebida era o puro malte escocês e cachaça era coisa de pobres e abrutalhados, pessoas incultas e de negros. Por muitos anos, esse era o padrão de sucesso nos negócios e na vida, admirado, invejado e copiado por todos.

Mas, de fato, nos anos pré-abolição, muita gente perambulava pelas ruas das cidades pedindo esmolas para comprar cachaça. Isso se agravou  depois da bem intencionada e mal planejada “Abolição dos Escravos”. Os negros escravos, de uma pra outra se viram sem trabalho, sem moradia, sem comida e sem as mínimas condições de subsistência. A partir de então, a cachaça viveu seus momentos mais tristes, servindo de refúgio para amenizar as dores da miséria e da fome. Aí começa a decadência da cachaça, que passa a ser vista como algo indesejado, como uma bebida de “pinguços”, desocupados e “cachaceiros” e esses termos pejorativos até hoje, denigrem a sua imagem.

 

A Semana de 22

O primeiro grande evento de resgate da cachaça, como uma bebida que merece respeito, foi a Semana de Arte Moderna de 1922, que buscava uma nova visão de pais e a apresentação de uma arte “mais brasileira”.

Nesse evento, estavam presentes os grandes nomes das nossas artes, como Tarsila do Amaral, Vila Lobos, Di Cavalcanti, Mário de Andrade. Mário de Andrade até apresentou uma obra chamada Eufemismos da Cachaça. Nesse evento, foi proibido servir outra bebida que não fosse cachaça, dizem que essa turma ficava de porre todo dia.

Início da Virada

Mas a cachaça continuou seu rumo, amada e odiada. Mas ali pelos anos 1940-1950 com o fim dos engenhos de açúcar mascavo, que foram obrigados a fechar por conta das emergentes usinas, que produziam o açúcar refinado branco em larga escala, várias propriedades ficaram de “Fogo Morto”, como diz no título do livro de José Lins do Rego. Muitos fecharam e os sobreviventes tiveram que se reinventar e focar sua produção na cachaça.

Mas, grande virada só começou mesmo por volta de 1995, 1996, onde, por pressão de produtores e por vontade política, o Governo de Fernando Henrique Cardoso começou a produzir as primeiras portarias e instruções normativas sobre a cachaça.  Só então é que foram definidas as regulamentações técnicas de fabricação, os procedimentos de registro de produtores, a classificação e rotulagem e os processos de fiscalização.

No bojo de tudo isso, veio também a melhoria de qualidade da bebida, a profissionalização da cadeia produtiva e um movimento forte de melhoria da imagem e da identidade da cachaça, isso através da mudança de rotulagem e das garrafas. Tirando a associação de deboche, embriaguez, desordem e bebida de pobre e colocando no lugar rótulos e nomes mais adequados a um novo público.  Um caso típico é o da cachaça Volúpia, que tinha no antigo rótulo um apelo muito sensual, era uma mulher seminua, com seios á mostra, uma exploração bem evidente do corpo feminino. Aí  mantiveram o nome, mas recriaram o rótulo, muito sofisticado e a bebida vem em lindas garrafas de porcelana, muito bonitas inclusive como itens de presente.

Os Desafios Atuais

O segmento teve avanços significativos nos últimos vinte anos. No entanto, há obstáculos a serem vencidos para que a cachaça alcance seu merecido lugar de destaque entre outros destilados do mundo, é preciso revisar a carga tributária incidente sobre a bebida, de acordo com cálculos do Instituto Brasileiro de Planejamento e Tributação (IBPT), a cachaça é um dos produtos campeões de tributos do País: as taxas representam 81,87% do preço do líquido. Além de atrapalhar a progressão do setor, os tributos fomentam a informalidade – um problema de saúde pública. Dados preliminares do Censo Agropecuário 2017 revelam a existência de 11 mil produtores de aguardente de cana-de-açúcar no País.  Porém, somente 1,5 mil são registrados no Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa). O ministério tem somente um fiscal para cada 97 estabelecimentos. Como os agentes trabalham em dupla, a proporção sobe para 194 produtores por fiscal. É pouco!

Outra barreira a ser ultrapassada é o preconceito, mas isso já foi muito maior e em favor do segmento pesa o fato de as cachaças hoje terem muito mais qualidade. Há um aprimoramento nas embalagens e nos líquidos. Muitos consumidores brasileiros estão aprendendo a apreciar cachaças de qualidade. Bares e restaurantes finos oferecem carta de cachaça, o que não existia há 20 anos. Nesse sentido, o setor está em sintonia com a tendência mundial de beber menos quantidade e mais qualidade.