Jeito paraibano de beber cachaça inspira empresário de São Paulo.

O Conceito WIBA! conquista mentes, corações e paladares de forma muito divertida.

Com uma ideia nascida em terras paraibanas, empresário paulista está mudando os conceitos de como beber cachaça.

 

Oxente! Uau! Show! Uai!…Todo mundo conhece e costuma utilizar interjeições, que são palavras que formam, por si só, frases que exprimem uma emoção, uma sensação, uma ordem ou um apelo. No mundo da cachaça, uma interjeição bem adequada seria WIBA!

Repita a palavra WIBA! e sinta que ela, sozinha, pode exprimir um misto de surpresa e satisfação de alguém após ingerir uma dose de boa cachaça junto com ingredientes bem divertidos, como frutas com sal, chocolate com banana, ou uva com pimenta.

Mais que uma nova interjeição, WIBA! é, de fato, uma marca criada pelo empresário Wilson Barros, de São Paulo, que propõe um novo jeito de beber cachaça: o jeito WIBA! Uma maneira divertida e original de fazer sua própria Caipirinha na Boca®, misturando pedaços de frutas, sal, açúcar, chocolate ou o que mais sua imaginação permitir, seguidos de pequenos goles da Cachaça WIBA!

A inovadora Caipirinha na Boca® despertou a curiosidade e aguçou os sentidos, tanto dos apaixonados por cachaça quanto daqueles que nunca haviam experimentado a mistura.

O jeito WIBA! de beber o nosso destilado nacional nasceu em 2013 e logo virou moda por terras paulistas. O que pouca gente sabe, porém, é que essa sacada também bebe das tradições da Paraíba.

A origem de tudo

Wilson era executivo de uma multinacional quando esteve em João Pessoa-PB, em 2010, a trabalho. Ele ficou hospedado na casa de um casal de amigos, que o recepcionou no fim de semana, com um almoço em família. Foi justamente nesse dia que surgiu seu primeiro insight , ao observar o modo peculiar como os participantes do almoço tomavam a cachaça: passavam sal no caju, mastigavam e ingeriam a cachaça.

A inspiração foi o nosso tradicional trio: cachaça, caju e sal

A tradicional mistura de caju com sal como tira-gosto, tão comum à cultura e ao paladar do paraibano, era algo novo para ele.  Intrigado, provou e gostou de cara. Depois perguntou ao patriarca da família: “Todos aqui na Paraíba tomam cachaça assim ou é um costume só da família?”. A resposta foi direta e seguida de uma boa risada: “Meu amigo, aqui na Paraíba a gente toma cana com caju e sal até no café da manhã”.

De imediato, Wilson teve um estalo: “Vou levar pra São Paulo esse jeito paraibano de tomar cachaça!”.

Quando retornou, pegou uma garrafa de cachaça branca, alguns cajus, um punhado de sal e convidou os amigos para conhecer o que aprendeu na Paraíba. Ao saber da proposta, o pessoal achou meio estranho, pois em São Paulo não é comum tomar a cachaça branca pura, sendo mais usada como base de caipirinha.  Wilson contou aos amigos a história que presenciou, o grupo deixou o preconceito de lado, provou e achou “arretado”, como se diz aqui no Nordeste. Nascia assim a ideia da Caipirinha na Boca.

 

O Refinamento

Depois da visita à Paraíba e do encontro inicial com os amigos, Wilson passou a amadurecer a ideia de como viabilizar sua “sacada”.  Após a aposentadoria, levantou capital e teve mais tempo e tranquilidade para dar continuidade ao seu projeto. Instalou um alambique e começou a trabalhar no refinamento da qualidade de sua cachaça. Para tanto, contratou uma consultoria e a supervisão dos melhores profissionais do mercado, como o master blender Armando Del Bianco e Valdirene Neves, engenheira de alimentos expert em cachaça. Com a ajuda da empresa Why Not?, desenvolveu os belos rótulos que estampam suas garrafas e o conceito, divertido e novo, de se beber cachaça.

O Alambique Ouro Fino, na cidade de Torre de Pedra, em São Paulo, há 6 anos fabrica a cachaça WIBA!,que leva as iniciais de seu nome (saiba mais sobre o processo produtivo da WIBA!). A produção, restrita a 25 mil litros por safra, favorece um controle de qualidade rígido, de modo a garantir a excelência na qualidade de cada garrafa saída da propriedade.

Qualidade e inovação

Seu foco é fechado na inovação, mas a WIBA! não abre mão da qualidade de suas cachaças. O processo de destilação utiliza somente o líquido mais puro e nobre chamado de “coração”, o filé mignon da cachaça. Os líquidos conhecidos por “cabeça” e “cauda”, inadequados ao consumo humano, por possuírem concentrações muito altas de álcoois superiores e metais pesados, aumentam a probabilidade de sensações desagradáveis no dia seguinte ao consumo. Esses líquidos são retirados do processo e redestilados em um outro alambique apropriado, dando origem ao metanol, utilizado para abastecer os veículos da propriedade.

O “aldeído”, por exemplo, é um dos maiores responsáveis pela ressaca. Quanto maior sua quantidade, maior será seu mal-estar no dia seguinte (clique e entenda sobre os compostos indesejáveis da cachaça). Por isso, a WIBA! diminui ao mínimo possível esses elementos, e de outros, como o furfural, responsável pelo hálito malcheiroso proveniente de bebidas com origens duvidosas. A ordem é sempre orientar a produção e o controle de qualidade de modo a proporcionar ao cliente a melhor experiência possível de consumo.

A linha de produtos

Atualmente, a WIBA! possui uma linha premiada de cachaças, como a Branca, a Umburana, a Blend de Carvalhos e a Blend de Carvalhos Premium 3 Anos  (confira  aqui a análise sensorial). Todas podem ser servidas utilizando-se o conceito da Caipirinha na Boca®. Na consulta ao site da WIBA!, você pode ter acesso a informações mais detalhadas.

Kit da Caipirinha na Boca

O termo Caipirinha na Boca® foi patenteado, e hoje a WIBA! vende um kit que traduz esse conceito. Inclui uma pequena jarra de vidro e uma base de madeira com dois recipientes: em um são acomodados os ingredientes sólidos, como fruta, chocolate e pimenta; no outro, sal, mel, molho, açúcar, etc.

Com uma estratégia de marketing inovadora no segmento, beber uma WIBA! é beber não apenas uma cachaça, mas também todo um conceito, uma experiência diferenciada, que é essa nova forma de se tomar cachaça, inspirada na tradição paraibana.

A ideia deu tão certo que a WIBA! exporta hoje a cachaça, e seu conceito, para Taiwan, China e Portugal. Em breve, também para a Itália e, por tabela, para o restante da Europa. O resultado de tudo isso não poderia ter sido melhor: Wilson conseguiu aliar a tradição da produção artesanal à inovação e à criatividade brasileira.

E isso tudo nascido de uma simples roda de amigos, tomando cachaça com caju e sal aqui em João Pessoa.

WIBAAAAAAAA!!!

 

Comente

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *