Vai começar o maior concurso de cachaças do planeta

O maior concurso de cachaças do planeta, o Ranking Cúpula da Cachaça, já tem data para começar. É no Dia Nacional da Cachaça, no próximo 13 de setembro.

A Cúpula da Cachaça é formada por 11 especialistas dedicados a iniciativas em prol do destilado nacional, focados em  temas importantes e relevantes para colaborar na luta pelo desenvolvimento de toda a cadeia produtiva da cachaça.

O Ranking (que é feito a cada dois anos), como sempre, começa com a Votação Popular, fase mais divertida do certame, já que mobiliza todo o mundo da cachaça, com as campanhas via redes sociais. Essa fase vai até 28 de novembro.

Esse ano, o concurso vem com novidades pontuais, mas repete a fórmula que deu certo nas três edições anteriores.

Mais uma vez, o certame de cachaças mais abrangente do país terá três fases. A primeira fase – que mobilizou mais de 43 mil votantes na última edição – é a do Voto Popular, na qual os devotos em geral poderão escolher, entre os 4 mil rótulos à disposição no mercado, a sua cachaça favorita. Os votos são feitos pelo site da Cúpula.

As mais votadas entre os apreciadores comporão a lista das 250 Cachaças Mais Queridas do Brasil.

A segunda fase é a Seleção dos Especialistas. Um painel, que esse ano será ampliado para até 50 especialistas, elegerá as cachaças que vão para a Degustação às Cegas. Os membros da Cúpula não farão parte do painel da segunda fase. Nas edições anteriores, apenas cúpulos que poderiam ter conflitos de interesse se abstinham de votar. Dessa vez, a seleção ficará completamente a cargo dos convidados, cujos nomes serão divulgados em novembro.

Serão os especialistas que definirão as cachaças a serem ranqueadas. Só aí entram os cúpulos.

Esses profissionais farão seções de degustação às cegas com os 50 rótulos durante três dias na Cachaçaria Macaúva, em Analândia (SP), em março de 2020 e darão notas às cachaças, seguindo critérios que levam em conta visual, aroma, sabor e personalidade de cada bebida.

O Ranqueamento

Foto: Mateus Verzola

Nesta edição, pela primeira vez as cachaças serão divididas em três categorias no Ranking:

a) cachaças que não passam por madeira;

b) cachaças armazenadas e envelhecidas

c) cachaças premium e extra-premium.

Lembrando que segundo a IN13, que regula os parâmetros da cachaça, envelhecidas são aquelas que “contêm, no mínimo, 50% (cinqüenta por cento) de Cachaça ou Aguardente de Cana envelhecidas em recipiente de madeira apropriado, com capacidade máxima de 700 (setecentos) litros, por um período não inferior a 1 (um) ano”.

Cachaças premium são as que contêm 100% de cachaça envelhecida em madeira por mais de um ano. E extra-premium as que contêm 100% de cachaça envelhecida em madeira por mais de três anos.

A Cachaça do ano

A cachaça mais bem avaliada das três categorias será considerada a Cachaça do Ano. Esse posto, no III Ranking, foi ocupado pela Cachaça Vale Verde 12 Anos.

Como sempre, as notas conferidas pelos jurados nos vários quesitos passará por tratamento estatístico e o resultado será divulgado pela imprensa.

Atendendo a um pedido de muitos produtores, a Cúpula anunciou que vai criar um selo específico para o Ranking, que poderá ser usado pelas cachaças finalistas.

O desempenho da Paraíba

Esse é o quarto ranking da Cúpula da Cachaça e, historicamente, a Paraíba sempre foi muito bem representada pelas cachaças brancas. Em 2018 as cachaças paraibanas obtiveram, dentre todas as concorrentes da categoria Cachaça Branca, o 5° lugar com a Volúpia, 8° lugar com a Serra Limpa e a cachaça Nobre ficou em 14° lugar. A Paraíba ficou empatada com o Rio de Janeiro e São Paulo, como o estado estado melhor ranqueado nessa categoria.

A Paraíba passa a se destacar, também, com as cachaças envelhecidas.

A se conformar uma tendência observada nos últimos dois anos, existe uma expectativa de que algumas cachaças envelhecidas, do nosso estado, também passem a figurar no ranking das que passam por madeira, como as premium e  extra-premium. Isso por que nos últimos concursos nacionais e internacionais, o destaque da Paraíba tem sido maior justamente nas cachaças envelhecidas. Podemos citar, só nesse ano, os concursos de São Francisco, nos EUA, onde a cachaça Nobre Umburana recebeu medalha de prata; a Expocachaça 2019 obtivemos medalha de ouro com a Matuta Umburana, medalha de prata para a Ipueira Carvalho Francês. E no Concurso Nacional de Vinhos e Destilados do Brasil (julho), a Paraíba foi o estado do Nordeste com mais premiações, ficando, na classificação nacional, em quinto lugar no número de medalhas, atrás de São Paulo, Rio Grande do Sul, Minas Gerais e Rio de Janeiro. Os produtores premiados foram: Prata para a Gregório Premium  (Alagoa Grande). Ouro para Baraúna Carvalho (Alhandra) e Cobiçada Umburana  (Serraria) e Duplo Ouro ou Grande Ouro para a Pai Vovô, de São Domingos.

Por isso, é de esperar que mais premiações venham, agora tanto nas cachaças brancas como nas envelhecidas.

 

Leia mais sobre as regras aqui: https://bit.ly/2KJaOjr

Recorde as cachaças premiadas no III Ranking Cúpula da Cachaça clicando aqui.

Comente

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *