Caipirinha dentro da lei

Você sabia que o drinque brasileiro mais famoso no mundo tem uma lei específica para determinar seu padrão?

É incrível como um drinque de tamanha simplicidade conquistou brasileiros e estrangeiros na mesma intensidade, mas poucos que sabem da existência de uma legislação para padronizar a sua elaboração. Vamos falar sobre isso hoje.

 

Caipirinha é a cachaça adicionada a açúcar e limão, simples assim

É muito raro encontrar alguém que saiba disso, mas a caipirinha é regulamentada no Brasil. O Decreto 6.871, de 04 de junho de 2009 fixou em lei a sua receita. Segundo o decreto:

“A caipirinha é bebida típica do Brasil, com graduação alcoólica de 15 a 36 por cento em volume, a vinte graus celsius. Deve ser elaborada com cachaça, limão e açúcar, podendo adicionar-se água para adequar a graduação alcoólica”.

Este regulamento normativo, de aplicação em todo o território brasileiro, estabelece os “padrões de identidade e qualidade”, que deverão obedecer tanto a caipirinha comercializada no Brasil, como a fabricada para exportação.

Quanto aos ingredientes, a lei é parcialmente flexível com o açúcar. Pode-se utilizar o cristal, mascavo ou refinado, mas nunca adoçantes sintéticos.

Se não tem limão, não é caipirinha

Em relação à cachaça, estabelece-se que deve respeitar a suas características e padrões de qualidade e identidade. O limão pode ser adicionado na sua forma desidratada. O sumo do limão deve estar presente no combinado na proporção mínima de um por cento. A água é considerada um ingrediente opcional, seu uso está restringido “exclusivamente” para adequar a graduação alcoólica á margem permitida: de 15 e 36 graus. O texto, no entanto, não define se pode utilizar-se gelo.

Caipirinha, só se tiver limão.

Dessa forma, não existe caipirinha de outras frutas. Se não tiver limão, não é caipirinha!  Mas nada impede que adicionemos outras delícias da nossa terra como o maracujá, uva, abacaxi, laranja, etc. O limão dá uma harmonização perfeita para a maioria das frutas, inclusive às cítricas que acabam ficando ainda mais saborosas.

Fora do Brasil, cachaça é sinônimo de caipirinha

A Caipirinha é o drinque brasileiro mais conhecido no exterior e é a cara do nosso país lá fora. Tanto é que grande parte da cachaça exportada pelo Brasil não é consumida pura e sim usada como base para a caipirinha. Muitos europeus até confundem as duas coisas, como se fossem o mesmo produto.

Brasileiros e estrangeiros adoram caipirinha, é uma bebida perfeita. Cor, aroma, sabor, tudo combina. Além de ser ótima para se refrescar no verão, faz boa companhia não só às  comidas leves (peixes e frutos do mar) como também às mais robustas, a exemplo de feijoadas ou churrascos.

Então, que esse  drinque, tão característico da nossa terra,  continue a ganhar força e contribua para que o Brasil possa propagar ao mundo o que temos de melhor em nossa culinária e coquetelaria.

4 comentários - Caipirinha dentro da lei

  1. Vital Disse:

    Valeu Maurício, existe um espremedor de limão próprio para caipirinha?
    Parabéns pelas suas colocações .

    • Maurício Carneiro Disse:

      Vital, o ideal é que o limão da caipirinha seja amassado (macerado) juntamente com o açúcar, com o cilindro de metal ou de madeira, assim o sumo da casca é liberado, dando um sabor mais intenso à caipirinha.

  2. Alberto Disse:

    Fazer caipirinha com cachaça alheia foi uma especialidade de Lucivan, O Terrível,

  3. Alberto Disse:

    Certa feita ele mandou um recado através de Roberto das Panelas para que eu lhe enviasse 1/2 k de açúcar e 2 caçambas de gelo, pois alguém, não lembro agora quem, lhe havia prometido uma garrafa de cachaça, e, para a próxima caipirinha que estava planejando, ele já havia conseguido os limões na vizinhança. Assim era o famoso Lucivan, O Terrível

Comente

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *