Cachaça paraibana premiada nos EUA será lançada em JP

 

Por MAURÍCIO CARNEIRO

A Cachaça Arretada Mandacaru conquista medalha de prata em concurso realizado em São Francisco, na Califórnia (EUA), e torna-se a primeira cachaça paraibana premiada internacionalmente.

Esta semana tive a satisfação e a honra de receber das mãos do Murilo Coelho, proprietário do Engenho Nobre, a unidade 02 da edição limitada de 1500 garrafas da maravilhosa cachaça Arretada Mandacaru, um incrível blend de carvalho francês com carvalho americano, envelhecida por dois anos.
Essa cachaça é, simplesmente, uma das melhores do Brasil. Prova disso é que conquistou a primeira premiação internacional de uma cachaça paraibana. Ela recebeu medalha de prata num dos maiores concursos de destilados dos EUA, a World Spirits Competition 2019 (SFWSC), em São Francisco, na Califórnia.

San Francisco World Spirits Competition

Iniciada  em 2000, a SFWSC é uma das competições mais antigas do gênero e das mais respeitadas dos Estados Unidos e do mundo. Com quase duas décadas de experiência, combina paixão e profissionalismo. Um dos fatores que fizeram com que a SFWSC se tornasse um dos eventos do gênero mais respeitados é o seu seleto corpo de jurados, formado pelos melhores chefs e degustadores, escolhidos através de rígidos critérios de seleção. Cada um com sua história distinta e um paladar extremamente aguçado.

Todo o processo de julgamento é realizado às cegas, o que garante  a integridade e a imparcialidade do concurso. Isso  assegura que cada bebida seja avaliada de forma individualizada, justa e com igual consideração.

Nessa competição de 2019 foram inscritos mais de 5.000 destilados do munto inteiro e a cachaça Arretada Mandacaru, do Engenho Nobre, obteve medalha de prata, no quesito “cachaça”. Isso a habilita a ostentar a medalha de premiação em seu rótulo, atestando sua excelência química e sensorial.

A medalha de prata confirma a qualidade superior da produção paraibana e eleva o nível do nosso destilado. Segundo o produtor Murilo Coelho, “a Paraíba, há muitos anos, é reconhecida como um centro de excelência na produção de cachaças brancas. Se nós fazemos tão boas cachaças brancas, por que não produzimos as envelhecidas com igual qualidade, já que a branca é a base da envelhecida?”.

Esse observação confirma uma tendência na produção estadual, pois, dentre as premiações de cachaças conquistadas pela Paraíba no ano de 2019, todas foram de cachaças que passaram por madeira.

A Cachaça

A Arretada Mandacaru, tem produção limitada de 1.500 garrafas. É uma cachaça envelhecida nas madeiras carvalho francês e americano. Isso lhe confere traços aromáticos suaves, baixíssima acidez e um toque especial das melhores bebidas premium.

“Essas madeiras enriquecem a bebida com novos componentes, agregando complexidade sensorial e permitem que reações físicas e químicas, específicas, aconteçam. Os barris de carvalho não só agregam aromas e taninos à cachaça, mas também, por conta de sua porosidade, permitem que a bebida respire, desenvolva-se e amadureça”, atesta Murilo Coelho.

A cachaça agrega todas as qualidades das duas madeiras, percebe-se, no nariz, a presença de amêndoas, coco intenso, baunilha e especiarias. Na boca, um aveludado ímpar, apesar de toda a potência dos seus 43% de teor alcoólico. No retrogosto traz o adocicado do carvalho  americano. O complemento fica por conta das notas finais de chocolate e baunilha,  que persistem por um longo período.

Uma ótima harmonização para essa cachaça é o café expresso e o chocolate meio amargo, por ser um meio termo entre o doce e o amargo. Eu a harmonizei com sorvete de chocolate e foi uma experiência incrível.

O lançamento

Como é muito comum no negócio das bebidas, os produtores procuram atestar a qualidade de suas criações em concursos nacionais e internacionais, antes de colocarem suas bebidas no mercado. Assim, agregam toda a força do marketing da premiação no lançamento, alavancando suas vendas e intensificando o reconhecimento da excelência da bebida. Isso foi o que fez Murilo.

A cachaça já estava engarrafada e pronta para ser comercializada, mas faltava o principal: a medalha. Após esperar várias semanas pelos selos oficiais da premiação no concurso, finalmente o público paraibano poderá conhecer e se deliciar com essa verdadeira joia da indústria da cachaça da Paraíba.

O lançamento oficial será na próxima quinta feira, dia 21 de novembro, na Casa de Cultura Livre Olho Dágua (R. Dep. Barreto Sobrinho, 344, Tambiá, J. Pessoa), às 20h, com entrada franca.

Além do conteúdo eu chamo atenção para o belo rótulo que estampa a garrafa, uma verdadeira obra de arte. Criação exclusiva da designer Valéria Antunes . A arte retrata de forma esplêndida todo o colorido de nossa nordestinidade, mais um atrativo dessa cachaça, que nos cativa pelo ofato, paladar e visão.

Na ocasião haverá uma apresentação da cachaça pelo Murilo Coelho e uma degustação para os presentes. Aconselho que os leitores não percam essa oportunidade de ter contato com a excelência da produção cachaceira da Paraíba e do Brasil.

Avanço da cana-de-açúcar na Amazônia pode gerar a “cachaça suja”

A plantação de cana-de-açúcar foi liberada nas regiões do Pantanal e amazônica.

A Região Norte do Brasil possui pouca tradição na produção de cachaças de qualidade, isso pela falta da cultura da cana-de-açúcar na região, pois esse tipo de plantio era proibido na região amazônica. Esse estado de coisas mudou na semana passada, quando o governo Bolsonaro revogou, um decreto que havia dez anos vetava a expansão canavieira na floresta amazônica e também no Pantanal. Esse pode ser um potencial problema para a indústria cachaceira do Brasil, haja vista que tal medida abre caminho, segundo pesquisadores, para mais desmatamento, desrespeito a direitos trabalhista, queimadas e conflitos por terra. Associar a cachaça a esse cenário é algo, no mínimo, preocupante.

Após a revogação ser assinada pelo presidente e pelos ministros Paulo Guedes (Economia) e Tereza Cristina (Agricultura), a medida encontrou o apoio da União Nacional da Indústria da Cana de Açúcar (Única), que, em nota, elogiou a revogação e afirmou que hoje considera o decreto ultrapassado, “servindo apenas como mais um dos tantos arcabouços burocráticos brasileiros”.

Essa medida pode dar incentivo ao desmatamento e a outras transgressões, pois é possível que se gere um efeito cascata, onde a cana-de-açúcar tomaria o espaço das pastagens e forçaria as atividades agropecuárias a abrir novas fronteiras, o que agravaria os problemas de conflitos de terras, especulações imobiliárias, violência no campo, desrespeito a direitos trabalhistas e desmatamento.

“Pode haver uma corrida por aquisição de terras hoje cobertas com pastagens para plantar cana e isso empurraria a pecuária para as áreas onde ainda existem florestas”, afirma Mauro Armelin, diretor-executivo da ONG Amigos da Terra – Amazônia Brasileira.

Efeitos desastrosos

De acordo com a Única,o risco de o desmatamento se infiltrar floresta adentro é zero: “Desmatou, está fora do Renovabio“, afirmou em nota o presidente da associação, Evandro Gussi, se referindo à nova política de biocombustíveis que entra em vigor em 2020 e se baseia no desmatamento zero. Ele acredita que, com ela, o próprio setor se autorregulará porque suas vendas estão calcadas na sustentabilidade.

Segundo o secretário-executivo do Observatório do Clima, Carlos Rittl. “Se o setor fosse tão capaz de se autorregular e respeitar a lei, nós não teríamos visto o desmatamento explodir este ano (2019), com quase 10 mil quilômetros quadrados de desmatamento”

Rittl afirma, ainda, que não há necessidade de um único hectare de terra amazônica ou pantaneira para cana-de-açúcar, já que “o Brasil vem aumentando sua produção pela produtividade, pela intensificação e pelas novas tecnologias. Não precisa ampliar em milhões de hectares a área de plantio de uma cultura – o que vai trazer perdas tanto do ponto de vista da biodiversidade quanto em aspectos econômicos”.

Um fato muito provável é que essa nova fronteira agrícola enseje a introdução, nos biomas amazônico e pantaneiro, de variedades transgênicas de cana-de-açúcar. Existem muitas lacunas quanto aos potenciais efeitos sobre organismos que não são o alvo das toxinas da planta modificada geneticamente, aos animais e humanos que consumirem a cana in natura, e o risco de essas novas espécies virem a prevalecer sobre as espécies silvestres a partir dos cruzamentos entre ambas. Como a maioria das cachaças e o popular caldo de cana são obtidos com essas variedades silvestres, num cenário assim essas bebidas também poderiam vir a ser contaminadas.

Esse tipo de situação, em ambientes tão delicados, poderia trazer resultados desastrosos a esse biomas e sem precedentes no mundo.

Governo de Roraima vê medida como positiva

O secretário de Agricultura do Estado de Roraima, Emerson Baú, disse que o Governo do Estado vê com bons olhos o decreto assinado na sexta-feira passada e acredita que a cultura vai atrair novos investidores para Roraima. “Sempre acreditamos nessa cultura no lavrado roraimense. Quando foi definido que não seria aplicada a cana-de-açúcar na Amazônia não se olhou a biodiversidade da Amazônia, e a considerou como um único bioma, esquecendo que temos o Lavrado, onde podemos fazer um trabalho sem derrubada de floresta”, disse. “Isso permite ao Estado atrair novos investidores e agregar valores ao redor da cana-de-açúcar, com a produção de etanol, por exemplo”, afirmou.

Ele ressaltou que uma indústria de etanol de milho já está sendo instalada em Roraima e que esta mesma indústria pode fazer também a produção de etanol de cana de açúcar.

O superintendente da Secretaria Federal da Agricultura em Roraima (SFA/RR), Plácido Alves, disse que o órgão colaborou com uma nota técnica para os estudos que foram feitos de viabilidade da cultura em Roraima. Um dos pontos destacados por Plácido se refere ao fato de Roraima poder produzir sem haver a necessidade de devastar áreas de floresta.    “Como estamos passando por investimentos na matriz energética, trabalhamos para a possibilidade da produção de bioenergia de milho e agora também da cana-de-açúcar que vai contribuir para o aumento de produção de energia”, afirmou. Disse ainda que, “..entendemos que precisamos alavancar o setor sucroalcooleiro e energético no Estado e pedimos apoio do governador Antonio Denarium e da bancada federal para fazer frente a essa conquista. Houve dois pareceres favoráveis dentro desta nota técnica, um do Ministério da Agricultura e outro do Ministério da Economia, e conseguimos fazer com que o presidente Jair Bolsonaro assinasse o decreto que revoga o decreto anterior e permite financiamento para o setor da cana-de-açúcar.”

Cachaça suja

Dentre os produtores de cachaça consultados pelo Confraria do Copo, existe a convicção de que, com a liberação da cana-de-açúcar nas regiões amazônica e pantaneira, surgirão, além das usinas e álcool e açúcar, novos empreendimentos voltados à produção de cachaça. Este é um  cenário muito provável, pois a fabricação da cachaça é uma das atividades mais rentáveis do agronegócio brasileiro. Caso esses empreendimentos produzam a cana-de-açúcar em áreas de desmatamento, isso pesará contra toda a atividade cachaceira nacional, comprometendo a imagem do nosso destilado aqui dentro e lá fora e criando barreiras ao consumo interno e às exportações.

Esse cenário é muito preocupante, principalmente num momento em que a cachaça luta para se livrar de preconceitos seculares e criar um conceito de bebida premium, apostando fortemente na produção orgânica, na tecnologia e na conquista de mercados internacionais.

Um outro problema real é o pesado histórico de situações de trabalho análogo à escravidão, por variados motivos, entre eles a vastidão do território e as dificuldades de fiscalização. É o caso de usinas como a Gameleira (posteriormente Destilaria Araguaia), em Confresa (MT), e a Alcopan, de Poconé (MT), que se tornaram presenças habituais na chamada “lista suja” do trabalho escravo do governo federal.

Tudo o que a cachaça não precisa é ter sua imagem associada ao trabalho análogo à escravidão e ao desmatamento ou desrespeito às questões ambientais. É preciso que o setor fique atento e seja pró-ativo, impedindo, desde o nascedouro, que esse tipo de situação possa ocorrer, pois os efeitos deletérios serão enormes e de difícil correção.

Esperamos que estudos de viabilidade sejam feitos e que áreas específicas possam ser criadas para o desenvolvimento da cultura, sem alterar o já sensível equilíbrio ambiental e social da região.

Cana-de-açúcar transgênica já é uma realidade. Como isso afeta a cachaça?

Por Maurício Carneiro

Apesar das dúvidas e riscos, a CTNBio coloca no mercado uma variedade de cana aguardada por ruralistas e usineiros. Especialistas apontam falta de estudos sobre os impactos ambientais e à saúde.

Cana Bt

 

Plantas transgênicas têm ajudado a aumentar a produção nos campos brasileiros e no mundo. A primeira cana-de-açúcar geneticamente modificada e comercializada é de origem brasileira. A cana CTC 20 Bt foi desenvolvida pelo Centro de Tecnologia Canavieira (CTC) e passou por avaliação da Comissão Técnica Nacional de Biossegurança (CTNBio) que a considerou segura sob os aspectos ambiental, de saúde humana e animal. Sua aprovação ocorreu no segundo semestre de 2017 e a comercialização no início de 2019.  “A comercialização desta cana brasileira é um marco que reforça o potencial e a qualidade da pesquisa nacional e coloca o país na vanguarda das pesquisas com biotecnologia de plantas”, enfatiza o diretor de Etanol Celulósico e Assuntos Corporativos do CTC, Viler Janeiro.

A cana geneticamente modificada (GM) permite o controle mais eficiente e a redução das perdas em virtude do ataque de pragas, resultando em aumento de produtividade, redução de custo e melhoria da qualidade na indústria. O uso da cana transgênica ainda pode viabilizar a expansão da cultura em áreas onde a broca da cana é uma condição limitante, contribuindo para o aumento da competitividade do Brasil na produção de açúcar e etanol.

 

O que é a cana Bt

A cana Bt é a cana-de-açúcar que recebeu um gene da bactéria Bacillus thuringiensis. Daí a denominação Bt.

Esse microrganismo encontrado no solo produz proteínas inseticidas tóxicas para alguns insetos – tais como: borboletas e mariposas (Lepidoptera), moscas e mosquitos (Diptera), besouros (Coleoptera) e vespas, abelhas e formigas (Hymenoptera) – mas sem qualquer efeito sobre outros organismos e sobre o homem. Desenvolvida pelo Centro de Tecnologia Canavieira (CTC), a variedade é resistente à broca-da-cana.

Segundo Viler Janeiro, o processo de introdução da nova variedade tem sido muito positivo, Desde outubro de 2017, cerca 400 hectares de mudas da variedade geneticamente modificada foram plantados nas principais usinas e fornecedores da região Centro-Sul do Brasil.

O diretor complementa que o crescimento da área com a CTC 20 Bt será gradual, uma vez que as novas plantas serão replantadas para expandir a área cultivada e não usadas para a produção de açúcar e etanol. “Este processo já ocorre na introdução de variedades convencionais e está alinhado com o cronograma de obtenção das aprovações internacionais do açúcar produzido a partir da cana geneticamente modificada”, explica.

Recentemente, a Health Canada, responsável por avaliar a segurança e o valor nutricional de alimentos no Canadá, aprovou o açúcar produzido a partir da CTC 20 Bt. Assim, de acordo com o órgão canadense, o açúcar proveniente da cana é tão seguro e nutritivo quanto os provenientes das variedades convencionais.

 

Pesquisas continuam

O Centro de Tecnologia Canavieira ainda continua as pesquisas. O CTC ainda deve disponibilizar para o mercado outras variedades transgênicas resistentes à broca, principal praga que ataca a cultura no Brasil e causa prejuízos estimados em R$ 5 bilhões anuais ao setor sucroenergético. Viler explica que adicionalmente, o Centro trabalha no desenvolvimento de variedades resistente ao Sphenophorus levis  – bicudo da cana-de-açúcar -, além de espécies tolerantes a herbicidas e com projetos de desenvolvimento de uma cana-de-açúcar tolerante à seca. “Esses produtos estão em diferentes estágios de pesquisa e passarão pelos processos aprovação, de acordo com a legislação vigente, tão logo cheguem nesta fase”, conclui.

Outra empresa focada no desenvolvimento da transgenia em cana de açúcar é a Embrapa Agroenergia. Atualmente quatro projetos merecem destaque e seguem a mesma linha do CTC. Iniciado em 2008, a Embrapa desenvolve a variedade tolerante a déficit hídrico, que já foi a campo em duas localidades para testes– em Quirinópolis (GO) e em Valparaiso (SP)-, com o objetivo de avaliar a performance agronômica e parâmetros fisiológicos em condições reais de campo. Em parceria com o CTC, o Centro Internacional Japonês para Pesquisas em Ciências Agrícolas (Jircas), a Embrapa Agroenergia avaliou o potencial com o gene de tolerância a seca na cana, que já foi testado em outras culturas de plantas, como soja, amendoim, trigo, arroz e outras.

Os resultados em situação real de campo mostrou que o material tem uma característica interessante, tanto para a tonelada de cana por hectare (TCH) quanto o açúcar (TPH). “Mesmo passando pela seca, essas materiais conseguiram manter o TCH e a o TPH, também houve manutenção da biomassa e do açúcar em ambos os locais”.

Próximas gerações de cana-de-açúcar transgênica

Após ter desenvolvido variedades de cana-de-açúcar transgênica resistentes à broca, cujo açúcar foi aprovado por organismos internacionais como o FDA, dos Estados Unidos, o Centro de Tecnologia Canavieira (CTC) mira agora duas novas gerações da planta, uma delas com o objetivo de resistir a uma praga que gera prejuízos estimados em R$ 4 bilhões por safra ao setor sucroenergético.

O CTC iniciou a segunda geração dessas canas, que terá de 8 a 10 variedades, não só resistentes à broca (mariposa que se alimenta dos canaviais), mas também tolerantes a herbicidas.

E já projeta a terceira geração, ainda em fase preliminar, que tem como objetivo combater o besouro Sphenophorus levis, conhecido como bicudo, que causa danos na cana em desenvolvimento e reduz a vida útil dos canaviais.

“O besouro gera R$ 4 bilhões de prejuízo por safra e, se perguntar a qualquer usina, ela dirá que tem mais medo dele que da broca. A broca é homeopática, enquanto o Sphenophorus é uma pancada gigantesca onde atinge. Ou seja, ao mesmo tempo desenvolvemos variedades para inserir genes cada vez mais resistentes a doenças, para que possamos inserir nas melhores variedades possíveis”, diz o presidente do CTC, Gustavo Leite.

 

Falhas

Apesar da liberação, houve discordâncias de três entidades representadas. Os três votos contrários são de um representante do Ministério do Meio Ambiente e de especialistas em meio ambiente e agricultura familiar, que analisam os estudos apresentados pelo CTC desde o final de dezembro de 2015, quando foi protocolado o pedido de liberação. Eles chegaram à conclusão de que, a exemplo de todos os demais organismos geneticamente modificados (OGMs) aprovados na comissão, as pesquisas com a cana são cheias de falhas. E estão muito longe de atender às próprias regras do órgão criado para auxiliar o governo federal nas questões de biossegurança dos transgênicos.

No caso da cana, há lacunas quanto aos potenciais efeitos sobre organismos que não são o alvo das toxinas da planta modificada, aos animais e humanos que consumirem a cana in natura, e o risco de essas novas espécies virem a prevalecer sobre as espécies silvestres a partir dos cruzamentos entre ambas. Como a maioria das cachaças e o popular caldo de cana são obtidos com essas variedades silvestres, num cenário assim essas bebidas também poderiam vir a ser contaminadas.

Professor do Departamento de Ecologia da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS) e integrante da CTNBio, Valério De Patta Pillar apresentou parecer em que pede diligência da comissão para correção das deficiências em experimentos de avaliação do risco ambiental e ausência de testes estatísticos, de avaliações dos efeitos do consumo da variedade de cana de açúcar por animais domésticos e por humanos.

 

Movimento pela cachaça orgânica

Vários produtores do Brasil todo foram consultados por este colunista, nos grupos de debates e nenhum afirmou que utiliza ou pretende utilizar essa variedade de cana transgênica.  Pelo contrário, observamos uma tendência forte no posicionamento da cachaça orgânica.

Na contramão da transgenia, há um movimento crescente, entre os produtores de cachaça, pela produção orgânica. O diferencial da cachaça orgânica está no modo de produção, sendo que a bebida orgânica dispensa toda e qualquer interferência química em sua produção. A cana-de-açúcar deve ser produzida organicamente e, em determinadas regiões, o adubo utilizado na plantação de cana também deve ter como origem o gado orgânico.

A cana-de-açúcar deve ser colhida sem a prática de queimadas e, durante a fermentação, o uso do ácido sintético é substituído por suco de limão orgânico. Essas ações fazem com que a organicidade da bebida final seja 100%, produzindo uma cachaça orgânica e sustentável, enquanto suas concorrentes, carregam em suas composições, grandes quantidades de insumos e compostos químicos, extremamente prejudiciais à saúde.

cachaça orgânica : alambique de cobre

Benefícios

Ao consumir a cachaça orgânica você estará apoiando um sistema de cultivo orgânico no qual a sustentabilidade está sempre em primeiro lugar. Além disso, o consumo orgânico é ideal para quem busca uma alimentação saudável e livre de produtos químicos, onde os alimentos são ricos em nutrientes naturais e não há risco de surgimento de doenças ou complicações em longo prazo.

A cachaça orgânica também é mais saborosa e mais intensa que as demais cachaças, agradando paladares mais refinados e sendo uma excelente escolha para o uso culinário doméstico e em restaurantes.

Felizmente, por hora, a transgenia ainda não frequenta as doses da nossa querida cachaça.

IBGE: Brasil tem 11 mil locais de produção de cachaça e aguardente – 86% são ilegais

Dados do Censo Agropecuário, divulgados pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) no dia 25 de outubro passado, dão um vislumbre do real tamanho da produção de cachaça e aguardente do país. Os pesquisadores que foram a campo no ano de 2017 encontraram 11.028 estabelecimentos rurais produzindo cachaça no país. Isso significa um número estável em relação aos 11.124 encontrados no levantamento anterior, realizado em 2006.

O número contrasta com os dados do Ministério da Agricultura, divulgados em maio, que indicam a existência de 1.497 produtores formais de cachaça no país.

Se desconsiderarmos que mais de um estabelecimento pode estar vinculado a um mesmo produtor – já que isso é exceção no setor –, a conclusão é que, levando-se em conta os números do IBGE, temos uma taxa de informalidade no setor da ordem de 86%, em termos de quantidade de produtores.

A se notar que não estamos falando de volume produzido – o que levaria essa taxa a uma grande redução. No entanto, também há que se considerar a subnotificação, que em casos como esse, pode ser bastante considerável.

Área das propriedades

Os dados – que mostraram um país com 5,07 milhões de estabelecimentos rurais – revelam também o tamanho das propriedades que produzem aguardente de cana – cachaça, inclusa. A minoria (4,3 mil) da produção de cachaça e aguardente é feita em estabelecimentos com área de menos de 10 hectares. Já 968 contam com área acima de 100 hectares.

cana-na-produçã--de-cachaçaO grosso da produção de cachaça e aguardente está em estabelecimentos com entre 10 e 100 hectares: são 5.698 unidades, equivalentes a 51% do total. São propriedades que podem se enquadrar como micro, pequenas ou médias, de acordo com o município em que se localizam, de acordo com os critérios do Incra.

No recorte por estado, chama a atenção alguns saltos em relação aos dados do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa), constantes da publicação ‘A Cachaça no Brasil: Dados de Registro de Cachaças e Aguardentes’. Nessa relação – onde só estão os produtores devidamente legalizados -, o Maranhão aparece com menos de 20 produtores de cachaça e/ou aguardente. O censo encontrou nada menos que 496.

A Bahia é outro caso em que os números demonstram um grau de informalidade alarmante. O IBGE identificou nada menos que 2.890 estabelecimentos produzindo aguardente. Todavia, o estado tem,, segundo o Mapa, 30 produtores registrados de cachaça e 15 de aguardente.

O maior número de estabelecimentos produtores, claro, está em Minas Gerais. São 5.512, de acordo com o censo, sendo 1,9 mil localizados em propriedades com tamanho entre 20 e 100 hectares. Desses, menos de 600 estão devidamente legalizados.

Informalidade na produção de cachaça

Os números demonstram um quadro de competição predatória no setor de cachaça entre uma minoria que arca com uma carga tributária complexa e sufocante e uma maioria que segue trabalhando à margem da lei.

Também revelam que a figura do microprodutor familiar em um pequeno sítio como o retrato do produtor de cachaça informal é, no mínimo, apenas relativa. Existem 2,1 mil estabelecimentos com mais de 50 hectares produzindo aguardente – boa parte sem registro.

Para combater tal nível de informalidade, é preciso combinar três vetores. O primeiro são políticas de incentivo à formalização, com apoio de entidades empresariais e entes governamentais. O segundo é um trabalho de guerrilha pela conscientização de consumidores e comerciantes – o qual parece não surtir efeito, mas é, sim, efetivo a médio prazo. O terceiro, no entanto, é o mais importante: o reforço na ação fiscalizatória, sobretudo visando aqueles que não se formalizam simplesmente porque não querem.

Por Dirley Fernandes. 

 

Euromonitor: cachaça lidera recuperação do consumo de destilados no Brasil

Projeções sobre o mercado da cachaça indicam que a categoria vai puxar a recuperação do setor de bebidas no Brasil nos próximos anos

Segundo os estudos relacionados ao mercado de destilados no Brasil, o setor de cachaças será o motor da recuperação do consumo de deslados no país . O segmento premium vai sustentar o crescimento da categoria. E as vendas em bares e restaurantes terão um ritmo de crescimento maior do que as de supermercados e empórios.

Essas foram as perspectivas mais importantes trazidas por Angélica Salado, gerente de pesquisa da Euromonitor, uma das mais conceituadas empresas de pesquisa de mercado do mundo, durante sua apresentação no Cachaça Brasil Show, (realizado no dia 15 de outubro na sede da Abrasel-SP – Associação Brasileira de Bares e Restaurantes-, em São Paulo). São informações extremamente importantes e, finalmente, alvissareiras para o segmento, em meio a uma maré de incertezas.

Mas, vamos por doses.

Mercado da cachaça acelera

A Euromonitor projeta um crescimento para o mercado de bebidas brasileiro maior do que a média global já a partir do balanço deste ano. Não é uma alta das mais pujantes, mas diante do fundo do poço que foi o recuo de quase 5% de 2016, é uma ótima notícia. O ritmo de alta deve chegar a 2% em 2020 e atingir 3% em 2022 ou 2023.

Além de ser um ritmo melhor do que o global, o crescimento é maior do que o projetado pela empresa para o PIB brasileiro, que é de modestos, porém firmes 2% ao ano até 2024.

Ou seja, temos um cenário de “contido otimismo”, como classificou Angélica, com muita propriedade.

    Fonte: Euromonitor International, Alcoholic Drinks 2019.

 

Os dados do consumo médio per capita de bebidas mostram claramente esse retrato de uma recuperação modesta, mas com certa consistência. A Eumonitor projeta que o volume atinja 86,7 litros em 2023. Ou seja, não volta aos 94,2 de 2013, mas se afasta dos cerca de 75 de 2017.

E a cachaça será a maior beneficiária desse aumento de consumo? Não. O vinho, que amargou as piores perdas, entre 2013 e 2018 será a categoria que mais crescerá no período.

Os destilados, de modo geral, no entanto, também terão ganhos. Já as bebidas mistas, que cresceram acima de 10% na crise, seguirão em alta, ainda que bem mais modestas, em passo semelhante ao dos destilados. É um mercado que produtores de cachaça têm tudo para explorar – muitos já exploram –, com produtos inovadores.

Entre os destilados, a empresa projeta que a cachaça será uma das categorias que mais vai colaborar para o crescimento das vendas, aumentando ligeiramente a sua fatia dentro do mercado ao longo dos próximos anos.

Mercado da cachaça – “on-trade”

Várias pesquisas observaram que, durante a crise, os consumidores passaram a frequentar menos os bares e restaurantes (on-trade). As vendas de cachaças em supermercados e semelhantes (off-trade) ganharam espaço na sustentação das vendas da categoria. O consumidor trocava o consumo na rua pelos tragos em casa mesmo, gastando menos, mas investindo em produtos da mesma qualidade ou até mais altos do que os que consumia nos bares. É a chamada tendência Jomo (Joy of Missing Out), de relaxamento desligado de redes sociais, que favoreceu também as cervejas artesanais, e veio para ficar.

Em 2019 as vendas para o canal dos supermercados ainda crescem em ritmo mais forte do que as dos bares, mas a partir do ano que vem isso já se inverte e um consumidor um pouco mais confiante vai sair mais para beber. Com o crescimento mais robusto, o on-trade será responsável por 61% da venda de bebidas alcoólicas até 2023.

No entanto, a consultoria adverte que o consumidor ainda está arisco. O nível de confiança deles tem se recuperado e evoluirá positivamente até 2023, mas está longe daquele observado antes da crise.

Já os empresários recuperaram a confiança de tempos pré-crise, mas é bom que acertem o passo com quem compra – ou deixa de comprar – seus produtos. “O consumidor se comporta como desempregado, mesmo que já não esteja mais”, frisou Salado.

Cachaça manterá sua fatia do mercado

A categoria gim vai seguir crescendo, mas não nos níveis absurdos de 2016-2017, quando saltou 100% enquanto o whisky perdia mercado e a cachaça estava estagnada. De toda forma, o crescimento do gim não afetará em nada a fatia de mercado da cachaça.

Fonte: Euromonitor International, Alcoholic Drinks 2019.

Já entre os segmentos da cachaça, será o premium aquele que terá o ritmo mais forte de crescimento de vendas, acelerando a cada ano para chegar próximo a 8% em 2023.

O segmento, aliás, foi o maior responsável por manter o valor de vendas da cachaça no azul no período 2015-2016, anos em que houve recuo no volume total vendido. Esse ano, o crescimento total do setor, em valor de vendas, deve fechar acima de 3%, mas, em volume, será inferior a 1%.

Isso significa que o consumidor está gastando mais por cada garrafa ou dose que compra. Mas, lembremos: estamos falando de uma categoria em que o grosso das vendas está concentrado nas grandes marcas industriais, de preço mais acessível. Tudo o que não esteja enquadrado nesse segmento, é premium.

Mostrar a cachaça

Angélica lembrou que o papel da indústria para que as coisas caminhem bem passa por garantir dois tipos de disponibilidade: a mental e a física. Em outros termos, é preciso trabalhar a presença da marca na mente dos consumidores, através de estratégias de comunicação e marketing (degustações, publicidade, promoções, assessoria de imprensa …). E, junto a isso, providenciar para que as garrafas da marca estejam nas prateleiras dos bares e supermercados.

A pesquisadora também recomendou repensar tamanhos de embalagens, diante dos “loner living”, (pessoas que moram sozinhas) e ter especial atenção às lojas de conveniência, que terão forte crescimento ao longo dos próximos anos, com consumidores pouco dispostos a despenderem grande esforço nas compras.

E, diante das condições de volatilidade que atingem o mercado brasileiro quase constantemente, a pesquisadora advertiu: “Uma indústria munida de informações e eficiente nas estratégias pode atenuar significativamente os efeitos da volatilidade”.

São dados preciosos para a indústria fazer o dever de casa, sobretudo levando-se em conta desafios no horizonte, como os novos entrantes, que tendem a agravar o quadro de capacidade ociosa do setor, e o possível barateamento de destilados importados, quando o acordo UE-Mercosul vier a ser implementado.

 

Fonte: devotosdacachaca.com.br

 

Produção de cachaça: uma das atividades mais rentáveis do agronegócio brasileiro

Produção de cachaça de alambique agrega maior valor ao produto final

Uma nova onda de consumidores mais exigentes e dispostos a pagar pela alta qualidade faz com que, dentre os empreendimentos agrícolas, a produção de cachaça desponte como um dos mais promissores.

 

Domínio dos pequenos

Bebida genuinamente nacional, a produção de aguardente e de cachaça no país está presente em mais de 800 municípios de 26 unidades da Federação, a exceção é Roraima. São 951 produtores de cachaça e 611 de aguardente registrados no Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento que, somados, representam cerca de um quarto do total de produtores de todas as bebidas registradas e produzidas no país, que é de 6.362. Os dados, constam do estudo A Cachaça no Brasil – Dados de Registro de Cachaças e Aguardentes, lançado pelo ministério em maio passado. Segundo o anuário, mais de 95% desses produtores são micro e pequenos empreendedores, que têm na cachaça e na aguardente a sua fonte principal de renda.

Esta é a primeira vez que o ministério realiza um estudo sobre a produção destes destilados. O levantamento mostra que existem 3.648 cachaças e 1.862 aguardentes de cana registradas no ministério. A Região Sudeste aparece com a maior produção de cachaça, seguida da Região Nordeste e depois a Sul.

O diretor executivo do Instituto Brasileiro da Cachaça (Ibrac), Carlos Lima, disse que o anuário representa um importante passo para o crescimento e o aprimoramento do segmento no país, uma vez que, a base da construção de políticas públicas é a existência de números oficiais e atualizados.

“A cadeia produtiva da cachaça é hoje responsável por empregar mais de 600 mil brasileiros. Tendo em vista a produção distribuída em 26 unidades da federação e a quantidade de produtores registrados, esperamos obter um maior apoio do governo brasileiro para que o desenvolvimento da categoria se dê de maneira sustentável nos próximos anos, contribuindo ainda mais para a geração de emprego e renda no país”, disse.

 A bebida nacional

cachaça é a segunda bebida alcoólica mais consumida no Brasil (perdendo apenas para a cerveja). Estimativas indicam que mais de 70 milhões de doses sejam consumidas diariamente, o que resulta numa cifra de aproximadamente 6 litros/habitante/ano. Esse consumo gera uma demanda real pelo produto e, consequentemente, a produção para suprir essa demanda é um importante segmento industrial e uma fonte geradora de empregos diretos e indiretos. Em razão de ser um produto de grande demanda, existem centenas de pequenos produtores informais espalhados pelo Brasil e outro número maior ainda  de comerciantes que compram essa produção e a distribuem junto ao mercado varejista.

Nesse processo  podem ocorrer diversos tipos de falhas , ou pelo desconhecimento da legislação, falta de fiscalização ou por simples má fé. Isso pode expor o consumidor a riscos à saúde. Nesse sentido, a cachaça clandestina é um elemento extremamente deletério, tanto à saúde do consumidor, como à leal concorrência com os produtores legais, que produzem, geram empregos e pagam seus impostos.

A cachaça de qualidade só é obtida se a sua cadeia produtiva conhecer, tecnicamente, o processo e o produto, ou seja, a qualidade é produzida com tecnologia, sobretudo com uma consciência de boas práticas produtivas dentre os membros dessa citada cadeia de produção. Trabalhando de modo clandestino, um produtor jamais atingirá um nível minimamente aceitável na qualidade do seu destilado.

A demanda crescente e contínua por cachaças de alta qualidade, orgânicas e diferenciados faz com que a sua produção esteja entre os empreendimentos agrícolas mais lucrativos e promissores, mas, para isso, se faz necessário que o produtor tenha domínio sobre as técnicas de produção da cachaça de qualidade. Abrindo mão dessa premissa básica o empreendedor estará fadado a ser apenas “mais um” no mercado, disputando espaço e centavos com milhares de outros clandestinos.

É sabido que as atividades de produção primária, isto é, de matéria-prima apenas, apresentam tradicionalmente baixa taxa de retorno. Isso ocorre no mundo todo. A cachaça tem valor agregado já no engenho, uma vez que já está pronta para o consumo, podendo ainda ir direto do fabricante para o mercado varejista, eliminando, portanto, serviços intermediários de comercialização, com consequente melhor remuneração para o fabricante. Alguns alambique fazem a venda direta ao consumidor, através de lojas instaladas dentro das propriedades dos engenhos ou em ambientes online, o que aumenta ainda mais a lucratividade do negócio.

O empreendimento associa a produção primária (a cana-de-açúcar), a industrialização (a aguardente) e a comercialização pelo próprio produtor da cachaça.

Novos consumidores

O mercado para aguardente engarrafada se divide nos segmentos populares e premium. O maior consumo de cachaça encontra-se nas classes C e D, referindo-se às aguardentes industriais, produzidas nas grandes empresas, que comercializam a bebida com embalagens e preços populares.

Mercado foca no segmento de cachaças premium

Para os especialistas, o aumento do poder de compra impulsionado pelo Plano Real, fez com que parte dos consumidores das classes C e D migrassem para a cachaça e outros destilados de preço mais elevado, como as de alambique. Adicionalmente, existe uma tendência nas classes A e B do consumo de cachaças de alta qualidade, especialmente as com embalagens sofisticadas.

Com o objetivo de atingir nichos de mercado, muitas empresas, especialmente as de alambique, também conhecidas como artesanais, desenvolvem embalagens diferenciadas, que têm contribuído para melhorar a imagem e expandir o mercado. As novas “roupagens” abandonaram a aparência pitoresca e agora apresentam projetos mais elaborados, em estilos sofisticados.

“Para aqueles que querem investir no mercado da Cachaça, o desafio será grande para atender aos nichos de consumo. Na produção é necessário planejamento e um olhar voltado para três pilares: alta qualidade do produto, processo de envelhecimento e embalagens diferenciadas. Sem esquecer que após essa etapa, outra grande barreira é a comercialização do produto, pois os canais de distribuição são restritos. Sem isso, a concorrência no mercado interno ou externo se torna esmagadora”, conta o presidente da Confraria Paulista da Cachaça, Alexandre Bertin.

O envelhecimento da bebida é uma prática que agrega cores, sabores e aromas diferenciados. São utilizados barris de madeiras nativas, que possibilitam a modulação e caracterização da cachaça envelhecida, permitem elaboração de blends de duas ou mais espécies e aumentam a complexidade aromática da bebida. O uso de madeiras nacionais e seus blends dão originalidade à cachaça com atributos de sabores únicos e reconhecíveis.

Qualidade e profissionalização

A cachaça feita em alambiques de cobre, como falamos acima, tem mais apelo comercial para o consumidor, sendo esse o campo em que os pequenos e médios produtores podem ter maior chance na competição com o chamado produto industrial. Para isso, entretanto, ele deverá se esmerar na qualidade de seu produto, melhorando a maneira de processar a bebida e conhecendo melhor o que é qualidade de cachaça. Além disso a apresentação, garrafas e rotulagem devem ser pontos de atenção.

A Paraíba desponta como um centro de excelência na produção de cachaças de qualidade

Pequenos e médios fabricantes artesanais, mesmo na atividade de reduzida produção, não poderão se manter no mercado como amadores.

A demanda por qualidade e a pressão por qualificação, são elementos de pressão (no mercado e na política). Esse negócio tradicional (o produto artesanal) está, ou estará, sob risco de extinção, por conta da crescente fiscalização estatal, da concorrência legal ou da baixa qualidade do seu produto.

Faz-se necessário que se profissionalize todos os atores da cadeia produtiva da cachaça.

O produtor deverá se ocupar em conhecer índices de produtividade da matéria-prima; a eficácia na extração do caldo na moenda;o monitoramento da fermentação e da destilação; conhecer os índices de rendimento em seu processo produtivo e quais os fatores que os afetam.

Só conhecendo e dominando as variáveis citadas, seré possível administrar a produção e controlar a qualidade do produto.

No que toca ao comerciante, este terá que ter, dentre as suas premissas, a compra de produto legalizado, “pejotizado” e legalizado no MAPA.

Em suma: o produtor de cachaça de alambique precisa de profissionalização e de esmero em sua qualidade para vender para um novo mercado que está sendo formado, que, embora mais exigente do que o popular, premia a qualidade, pagando um preço mais elevado pela qualidade.

Formalizar setor

Para o presidente da Confederação Nacional da Pecuária e Agricultura (CNA), João Martins, há necessidade de maior conscientização dos produtores, dos comerciantes e dos consumidores quanto aos riscos de utilização de um produto inadequado para o consumo humano.

Contrarrótulo da garrafa de uma empresa formalizada

Um dos problemas básicos para o desenvolvimento do setor da cachaça é a necessidade de formalização dos produtores clandestinos, pois o mercado é fortemente marcado por pequenos produtores ainda sem registro no MAPA (Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento). Martins acredita que essas medidas podem alavancar o consumo da cachaça brasileira que, segundo ele, é exportado para mais de 60 países, gerando receitas em torno de US$ 14 milhões anuais.

“A maioria dos produtores estão na informalidade e é formada de pequeno e microempresários. Para aumentar a competitividade do setor é preciso desenvolver políticas públicas e iniciativas por parte do setor privado, voltados para formalização dessa cadeia produtiva”, disse.

Ministério da Agricultura orienta como denunciar venda de “cachaça” clandestina.

Após consulta, o Ministério da Agricultura me enviou um procedimento completo sobre como organizar e estruturar uma denúncia de comercialização de “cachaças” clandestinas.

Fabricação de cachaça clandestina: todos temos que nos unir para acabarmos com esse tipo de prática.

Um das bandeiras sempre levantadas por mim e defendidas nas minhas labutas e debates cotidianos, seja na coluna Confraria do Copo (rádio CBN João Pessoa), seja neste espaço , é o combate à clandestinidade no setor da cachaça.

Problema com fundo econômico, mas também cultural, a clandestinidade provoca danos profundos à saúde do consumidor, à economia e à lealdade concorrencial contra quem trabalha dentro das especificações que a legislação impõe e se submete às escorchantes taxas de impostos cobrados no Brasil, particularmente no ramo de cachaças.

 

Mas, afinal, o que é a “Cachaça Clandestina”?

São consideradas clandestinas todas as “cachaças” comercializadas e que não estampam em seu contrarrótulo o número de registro do MAPA (Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento).  Tal registro é uma comprovação de que a cachaça obedece à legislação brasileira para a produção de bebidas alcoólicas.

Essa legislação determina o perfil químico que a cachaça deve ter, as exigências sanitárias, a forma de rotulagem do produto, as especificações nos processos de produção, as instalações prediais das empresas, a documentação legal exigível à comercialização de aguardente e todos os demais requisitos que atestam que a bebida é própria para o consumo humano.

Os produtos que não se submetem ou não atendam às exigências legais ou aos padrões mínimos de qualidade estabelecidos não são aprovados e, se comercializados, são considerados clandestinos.

Em suma, a cachaça clandestina não passa por qualquer nível de fiscalização sanitária. O que há dentro da garrafa, quimicamente falando, é um mistério que nem mesmo quem produz sabe.

São aquelas sem rótulo, a “de cabeça”, a brejeira, a “da roça”, a “mineirinha”. Aquelas com um nome engraçado, tipo “Cura veado” ou “Amansa corno”. São as que encontramos nas lojinhas de beira de estrada ou nas feiras, embaladas nas garrafas pet, sem identificação nenhuma, ou mesmo vendidas a granel, em bombonas de cinco litros, botijões de 20 litros ou até em tonéis plásticos ou de metal de 200 litros. Ingerir isso é atentar contra a própria saúde.

Plataforma do Mercado Livre comercializando “cachaça” clandestina.

A cultura da clandestinidade é tão forte que essas “cachaças” podem ser facilmente encontras até em plataformas de vendas online, como Mercado Livre e OLX, conforme matéria que fiz denunciando a prática (clique aqui e acesse a matéria).

Ambas as plataformas ostentam que não pactuam com a prática da pirataria ou da comercialização de produtos ilegais, mas basta uma pesquisa rápida em qualquer uma delas para que a sua tela seja, literalmente, inundada por milhares de litros de “cachaça” clandestina, de todos os tipos e de vários estados do Brasil (clique aqui e veja os crimes em tempo real).

 

Como identificar se uma cachaça é legalizada?

Exemplo de contrarrótulo adequado à legislação

Alguns produtores inescrupulosos tentam induzir o consumidor desinformado ao erro, dizendo que o CNPJ é uma prova de que a “cachaça” é de boa procedência e, portanto, legal. Mas não basta possuir CNPJ, é necessário atender às exigências definidas  pelas normas relacionadas à produção e comercialização de cachaça (clique e veja os procedimentos administrativos para o registro de estabelecimentos e de produtos ).

Toda cachaça tem que estampar em seu contrarrótulo, dentre outros dados, informações do fabricante, o número do CNPJ, Inscrição Estadual e/ou Municipal e o número de Registro no MAPA, conforme modelo ao lado. Se não tiver nada disso, não compre e denuncie.

Como denunciar?

Todo cidadão tem a responsabilidade de se manisfestar contra qualquer tipo de irregularidade e de incentivar a legalidade e a ética concorrencial.

Fiz uma consulta junto ao MAPA, a respeito de como apresentar formalmente uma denúncia de comercialização de “cachaças” clandestinas. Obtive a resposta através do Setor de Ouvidoria do órgão, que me detalhou, de forma clara, como deve ser o processo.

Confira a resposta na íntegra:

Seguem orientações sobre como apresentar uma denúncia sobre comercialização ilegal de cachaça clandestina, especificando os principais canais disponíveis.

No caso específico de denúncia referente a cachaça, nos envie o máximo de informações comprobatórias quanto possível, seguindo as orientações a baixo:

  1.   Qual o estabelecimento comercial que está negociando o referido produto?
  2.   Envie algum documento que comprove a comercialização do produto.
  3.   Enviar fotos que nos permitam ver todas as informações contidas no rótulo do produto.
  4.   Algum documento, recibo ou canhoto de pagamento que comprove a relação de consumo do     produto?
  5.   Qual o local (com referência) onde ocorreu o fato?
  6.   Se existe algum servidor do Ministério da Agricultura envolvido.
  7.   A identificação do fabricante do produto.
  8.   Algum dado que identifique o fabricante (CNPJ, endereço, Razão Social).
  9.  Especificar se a venda do produto foi a granel ou em embalagem própria (individual).

Para onde enviar a denuncia?

1° Opção: Em conformidade com a Instrução Normativa nº 18, de 30 de dezembro de 2018, da Ouvidoria Geral da União – OGU/CGU. O usuário pode apresentar a sua manifestação acessando o link https://sistema.ouvidorias.gov.br/publico/Manifestacao/SelecionarTipoManifestacao.aspx?ReturnUrl=%2f. Sugerimos que o site, informado acima, seja acessado pelo Google Chrome e que limpe os “cookies” na opção “histórico”, no canto superior direito do navegador.

2° Opção: Presencialmente na Ouvidoria do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento – MAPA, na Esplanada dos Ministérios – Bloco D – Brasília/DF – CEP: 70.043-900. Das 8 – 17h.

3° Opção: Enviar a sua manifestação de forma estruturada e fundamentada para o e-mail mesmo ouvidoria@agricultura.gov.br.

Se for necessária, estamos à disposição para esclarecimentos de eventuais dúvidas.

Atenciosamente,

Ouvidoria/MAPA

Tarefa de casa

Agora que já sabemos como denunciar de forma eficaz e tendo exemplos evidentes e práticos de descumprimento das leis, conforme mostrado acima, que tal exercitarmos nossos novos conhecimentos e fazermos uma denúncia das várias situações de clandestinidade que encontramos por aí?  Creio ser um bom começo fazermos nossa denúncia com os dados da OLX e do ML, que mostramos nesse artigo.

 

VIVA A BOA CACHAÇA!!!

Jeito paraibano de beber cachaça inspira empresário de São Paulo.

O Conceito WIBA! conquista mentes, corações e paladares de forma muito divertida.

Com uma ideia nascida em terras paraibanas, empresário paulista está mudando os conceitos de como beber cachaça.

 

Oxente! Uau! Show! Uai!…Todo mundo conhece e costuma utilizar interjeições, que são palavras que formam, por si só, frases que exprimem uma emoção, uma sensação, uma ordem ou um apelo. No mundo da cachaça, uma interjeição bem adequada seria WIBA!

Repita a palavra WIBA! e sinta que ela, sozinha, pode exprimir um misto de surpresa e satisfação de alguém após ingerir uma dose de boa cachaça junto com ingredientes bem divertidos, como frutas com sal, chocolate com banana, ou uva com pimenta.

Mais que uma nova interjeição, WIBA! é, de fato, uma marca criada pelo empresário Wilson Barros, de São Paulo, que propõe um novo jeito de beber cachaça: o jeito WIBA! Uma maneira divertida e original de fazer sua própria Caipirinha na Boca®, misturando pedaços de frutas, sal, açúcar, chocolate ou o que mais sua imaginação permitir, seguidos de pequenos goles da Cachaça WIBA!

A inovadora Caipirinha na Boca® despertou a curiosidade e aguçou os sentidos, tanto dos apaixonados por cachaça quanto daqueles que nunca haviam experimentado a mistura.

O jeito WIBA! de beber o nosso destilado nacional nasceu em 2013 e logo virou moda por terras paulistas. O que pouca gente sabe, porém, é que essa sacada também bebe das tradições da Paraíba.

A origem de tudo

Wilson era executivo de uma multinacional quando esteve em João Pessoa-PB, em 2010, a trabalho. Ele ficou hospedado na casa de um casal de amigos, que o recepcionou no fim de semana, com um almoço em família. Foi justamente nesse dia que surgiu seu primeiro insight , ao observar o modo peculiar como os participantes do almoço tomavam a cachaça: passavam sal no caju, mastigavam e ingeriam a cachaça.

A inspiração foi o nosso tradicional trio: cachaça, caju e sal

A tradicional mistura de caju com sal como tira-gosto, tão comum à cultura e ao paladar do paraibano, era algo novo para ele.  Intrigado, provou e gostou de cara. Depois perguntou ao patriarca da família: “Todos aqui na Paraíba tomam cachaça assim ou é um costume só da família?”. A resposta foi direta e seguida de uma boa risada: “Meu amigo, aqui na Paraíba a gente toma cana com caju e sal até no café da manhã”.

De imediato, Wilson teve um estalo: “Vou levar pra São Paulo esse jeito paraibano de tomar cachaça!”.

Quando retornou, pegou uma garrafa de cachaça branca, alguns cajus, um punhado de sal e convidou os amigos para conhecer o que aprendeu na Paraíba. Ao saber da proposta, o pessoal achou meio estranho, pois em São Paulo não é comum tomar a cachaça branca pura, sendo mais usada como base de caipirinha.  Wilson contou aos amigos a história que presenciou, o grupo deixou o preconceito de lado, provou e achou “arretado”, como se diz aqui no Nordeste. Nascia assim a ideia da Caipirinha na Boca.

 

O Refinamento

Depois da visita à Paraíba e do encontro inicial com os amigos, Wilson passou a amadurecer a ideia de como viabilizar sua “sacada”.  Após a aposentadoria, levantou capital e teve mais tempo e tranquilidade para dar continuidade ao seu projeto. Instalou um alambique e começou a trabalhar no refinamento da qualidade de sua cachaça. Para tanto, contratou uma consultoria e a supervisão dos melhores profissionais do mercado, como o master blender Armando Del Bianco e Valdirene Neves, engenheira de alimentos expert em cachaça. Com a ajuda da empresa Why Not?, desenvolveu os belos rótulos que estampam suas garrafas e o conceito, divertido e novo, de se beber cachaça.

O Alambique Ouro Fino, na cidade de Torre de Pedra, em São Paulo, há 6 anos fabrica a cachaça WIBA!,que leva as iniciais de seu nome (saiba mais sobre o processo produtivo da WIBA!). A produção, restrita a 25 mil litros por safra, favorece um controle de qualidade rígido, de modo a garantir a excelência na qualidade de cada garrafa saída da propriedade.

Qualidade e inovação

Seu foco é fechado na inovação, mas a WIBA! não abre mão da qualidade de suas cachaças. O processo de destilação utiliza somente o líquido mais puro e nobre chamado de “coração”, o filé mignon da cachaça. Os líquidos conhecidos por “cabeça” e “cauda”, inadequados ao consumo humano, por possuírem concentrações muito altas de álcoois superiores e metais pesados, aumentam a probabilidade de sensações desagradáveis no dia seguinte ao consumo. Esses líquidos são retirados do processo e redestilados em um outro alambique apropriado, dando origem ao metanol, utilizado para abastecer os veículos da propriedade.

O “aldeído”, por exemplo, é um dos maiores responsáveis pela ressaca. Quanto maior sua quantidade, maior será seu mal-estar no dia seguinte (clique e entenda sobre os compostos indesejáveis da cachaça). Por isso, a WIBA! diminui ao mínimo possível esses elementos, e de outros, como o furfural, responsável pelo hálito malcheiroso proveniente de bebidas com origens duvidosas. A ordem é sempre orientar a produção e o controle de qualidade de modo a proporcionar ao cliente a melhor experiência possível de consumo.

A linha de produtos

Atualmente, a WIBA! possui uma linha premiada de cachaças, como a Branca, a Umburana, a Blend de Carvalhos e a Blend de Carvalhos Premium 3 Anos  (confira  aqui a análise sensorial). Todas podem ser servidas utilizando-se o conceito da Caipirinha na Boca®. Na consulta ao site da WIBA!, você pode ter acesso a informações mais detalhadas.

Kit da Caipirinha na Boca

O termo Caipirinha na Boca® foi patenteado, e hoje a WIBA! vende um kit que traduz esse conceito. Inclui uma pequena jarra de vidro e uma base de madeira com dois recipientes: em um são acomodados os ingredientes sólidos, como fruta, chocolate e pimenta; no outro, sal, mel, molho, açúcar, etc.

Com uma estratégia de marketing inovadora no segmento, beber uma WIBA! é beber não apenas uma cachaça, mas também todo um conceito, uma experiência diferenciada, que é essa nova forma de se tomar cachaça, inspirada na tradição paraibana.

A ideia deu tão certo que a WIBA! exporta hoje a cachaça, e seu conceito, para Taiwan, China e Portugal. Em breve, também para a Itália e, por tabela, para o restante da Europa. O resultado de tudo isso não poderia ter sido melhor: Wilson conseguiu aliar a tradição da produção artesanal à inovação e à criatividade brasileira.

E isso tudo nascido de uma simples roda de amigos, tomando cachaça com caju e sal aqui em João Pessoa.

WIBAAAAAAAA!!!

 

Colombina 10 Anos: história, tradição e qualidade

A Colombina 10 anos traz em cada garrafa o sabor das cachaças de antigamente

Degustando a Colombina 10 Anos em minha casa: uma experiência incrível.

Acaba de chegar às minhas mãos a Cachaça Colombina 10 anos, uma verdadeira joia da produção cachaceira de Minas Gerais.

Produzida na Fazenda do Canjica, em Alvinópolis, cujos alambiques destilaram sua primeira cachaça por volta 1890, a Colombina tem a mesma receita há quase 100 anos e mesmo tendo se adaptado às normas vigentes de fabricação, manteve sua personalidade, sua história e muito do seu antigo processo de produção.

Utiliza cana-de-açúcar livre de agrotóxicos e cortada crua, sem queima. A moagem é feita em engenho movido por roda d’água e a fermentação da garapa ocorre de modo natural, sem agregação de componentes químicos. Mas um dos seus mais interessantes diferenciais é o processo de armazenamento.

O Parol

Sempre ouvimos falar de envelhecimento ou armazenamento de cachaças em dornas, tonéis ou barris, mas “parol” é coisa rara de se ver. A verdade é que pouca gente já viu ou mesmo já ouviu falar no Parol.

Parol da Fazenda do Canjica

O Parol é um recipiente de madeira parente dos barris, tonéis e dornas e foi largamente usado nos séculos XVIII, XIX e início do século XX, na fabricação de açúcar e aguardentes.

São muitos os exemplos na historiografia e literatura da cachaça que citam o uso dos parois na fabricação do açúcar e da aguardente. Feito totalmente de madeira, esse reservatório tem a característica peculiar de não receber pregos, parafusos, cintas de aço ou qualquer outro artifício metálico para garantir a sua “estanqueidade”, utilizando-se, em sua construção, apenas juntas secas com réguas de madeira talhadas à perfeição por mestres artesãos.

Devido à complexidade de sua construção, essas obras de arte foram sendo gradativamente substituídos por recipientes mais simples (dornas, barris e tonéis). Seu desuso causou quase que sua completa extinção e são raríssimos hoje os engenhos de cachaça que ainda os utilizam.

A Colombina é armazenada em jatobá, madeira utilizada por um número bem limitado de marcas para esse fim, mas que tende a ter um futuro promissor, pois essa madeira guarda uma similaridade muito evidente com o carvalho americano.

Minhas Impressões

Apresentada com uma linda garrafa e rótulos retrô, A Colombina é um verdadeiro desafio aos sentidos, por isso, prepare-se para um turbilhão de impressões sensoriais. O jatobá empresta à Colombina 10 Anos uma cor misteriosa, de um tom apenas levemente amarelado, muito particular e a untuosidade é evidenciada pela demorada e persistente lágrima.

No nariz ela já traz um frutado que remete ao aroma das uvas do vinho branco. Os 10 anos de armazenamento acalmam muito bem o álcool nela contido, e não agride em nada a narina, apesar dos seus respeitáveis 45% de teor alcoólico. Super complexa no paladar, essa cachaça permite um conjunto de sensações extensas, que vão do adstringente ao doce, do salgado ao picante, passando por frutas vermelhas, ameixa e finalizando com baunilha, amêndoas e chocolate. O retrogosto complementa a obra, prolongado pelo potente teor alcoólico, traz a cana de açúcar e as impressões finais do achocolatado.

Unindo tradição, história e qualidade, não se acham tão facilmente cachaças como a Colombina 10 anos e degustá-la foi uma experiência extremante prazerosa, que me deixou emocionado e positivamente impressionado.

Isso reforça a convicção do acerto da minha decisão, há muitos anos tomada, de eleger a Cachaça como minha bebida preferida. Obrigado Colombina, a partir de hoje serei mais um dos teus fieis arlequins.